Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

O que nos embala?

31.07.18 | Alice Alfazema

 

Ilustração  Raissa Figueroa

 

 

 

As pessoas falam, especializam-se, dão opiniões fundamentadas, têm argumentos, objectos preferidos, crenças, sabem que em determinada idade é suposto fazer isto e aquilo, sabem que devem orientar-se para o futuro. Preocupam-se com a economia, com a violência, com o ambiente e com as outras pessoas.

 

Temos então um mundo construido na especialização da opinião e da experiência. Cada um com a sua pele tenta destacar-se do outro, cada um com a sua verdade, pensando que cada um é especial, um mais especial que o outro.  

 

Como uma escada no universo, onde o primeiro degrau é desconsiderado. Alguns sobem e destacam-se lá no cimo, olham para baixo e têm o mundo aos seus pés. A sua visão parece ser abrangente. Mas estão demasiado longe para reconhecer o que se passa naquela imensa paisagem. 

 

Lá em cima o tempo passa depressa, num ápice a vida se vai. Os anos correm e o tempo não abranda.

 

Afinal o que nos embala? São as emoções que nos embalam. É aquele abraço longínquo que nos foi dado na infância. É agradecer a quem te apara o pranto, quem te escuta quando falas. 

 

São as banalidades que passam sem darmos conta e que damos por garantido. São as banalidades que não sabemos explicar, nem ousamos discutir, são as dos outros e as nossas, são coisas reles, apenas importantes quando nos julgamos no fim. 

 

 

 

 

Alice Alfazema

 

 

 

2 comentários

Comentar post