Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

O pássaro solitário

14.09.19, Alice Alfazema

p.jpg

 

Em certa árvore há um pássaro, que canta a alegria da vida.

Nos galhos mais escondidos, lá ele pousa e repousa.

Chega ao descer o crepúsculo e parte ao erguer-se a aurora.

 

 

p1.jpg

 

 

Quem sabe que pássaro é esse que canta dentro de mim?

Não tem forma nem cor, não tem contorno nem estofo.

Pousa na sombra do amor e repousa no inatingível.

p2.jpg

 

 

Kabir diz: Ó sadhu, meu irmão, profundo é este mistério.

Deixa que os sábios descubram onde tal pássaro se esconde.

 

 

 

Poema - tradução: José Tadeu Arantes, Kabir: Cem Poemas, Attar Editorial, 2013 - visitem a página para compreendem a metáfora do pássaro solitário, é muito interessante. 

 

As magníficas ilustrações são de Nacho Sevilha

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.