Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

O meu Presépio de Natal

22.12.17, Alice Alfazema

Este é o meu presépio, feito com figuras de barro que pertenceram à minha mãe, uma herança feita de terra vermelha, um rei já tem o pescoço colado, caiu do camelo, mas continua no activo, fazendo a sua parte levando todos os anos a sua oferta ao Menino.

 

IMG_7560.JPG

 

Os camelos estão cansados da longa viagem que fizeram do sótão até à sala, estiveram mais de duas semanas no corredor fechados numa caixa colada com muita fita cola e embrulhados em papel de propaganda. Finalmente viram a luz do candeeiro da sala e encontraram-se com as estrelas que brilham na velha árvore artificial de natal.

 

IMG_7561.JPG

 

Aqui estão os três Reis Magos, no meio das ovelhas, para celebrar o nascimento, a renovação, o começo da vida. Um começo que começa nu, frio e choroso. Tal como o Inverno que prepara o caminho para os brotos.

 

IMG_7562.JPG

 

Aqui são todos um, sem olhar a vestes, sem olhar a línguas, sem olhar a espécies.

 

IMG_7578.JPG

 

A minha árvore é um amontoado de anos, cada bola, cada ano, muitas cores, velhas fitas, nada ali é novo.

 

IMG_7584.JPG

 

As cores aparecem ligadas por coisa nenhuma, é uma desarmonia colorida, quente que envolve lembranças de outros natais, de outros risos que não posso mais ouvir, mesmo que queira. No entanto, parece que me podem aparecer a cada instante. 

 

IMG_7591.JPG

 

O velho burro aquece o meu Menino, acompanhado da vaca, o menino parece confortável nas palhinhas, como tantos outros, que se riem da miséria em que vivem e dos trapos que vestem. 

 

IMG_7606.JPG

 

A música é uma constante na minha sala, nunca poderia faltar na minha árvore.

 

IMG_7615.JPG

 

Duas semicolcheias e uma clave de sol, façam a música que mais gostarem, bailem, ouçam, vejam, vivam como se tivessem sempre a renascer, assim é a música.

 

IMG_7635.JPG

 

O Menino está rodeado pela Mãe e pelo Pai, a face da mãe está corada de felicidade, é tempo de celebrar a vida que se repete.

 

IMG_7643.JPG

 

E de agradecer aos amigos que nos dão provas de amizade e não de utilidade, porque a vida é uma ponte para surpresas nem sempre boas.

 

IMG_7646.JPG

 

Fui colher as verduras à Serra, para tê-la perto de mim, porque os amigos também podem ser de uma outra dimensão, num outro corpo que não o humano. 

 

IMG_7648.JPG

 

Que surpresa, alfazema no meio do chão, é o meu presente para o Menino, à que perfumar a vida, para depois colher, para recordar, para amar e deixar ir quem não faz parte daquilo que queremos ser.

 

IMG_7651.JPG

 

A mulher lava a roupa num  dia de muito frio, segue com resiliência, porque na vida precisamos ser assim, não desistir e resistir. Lá haverá um tempo em que seremos lembrados, que o sejamos por boas razões.

 

IMG_7655.JPG

 

O pastor continua tomando conta das suas ovelhas, sem pressa, leva-as pelos prados mais verdes para que comam o melhor que tem para lhes dar. Ele e o seu rebanho são apenas Um.

 

IMG_7666.JPG

 

E as ovelhas agradecem dando-lhe a sua lã que será quente numa boa camisola ou numa manta como a que te cobre neste dia de muito frio.

 

IMG_7682.JPG

 

O Menino está neste momento a rir, será que está feliz por ser importante para alguém?

 

IMG_7687.JPG

 

 

Feliz Natal! E que ele dure muito mais que um dia.

 

 

 

Alice Alfazema

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post