Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Música nos jardins do Palácio Fronteira, Lisboa

13.12.17, Alice Alfazema

 

 

 

Ilustra a mais notável eclosão do barroco português e encontra-se no meio de uma "quinta" característica da região de Lisboa, ao mesmo tempo exploração agrícola e local de lazer, designada por "quinta de recreio".

 

O Palácio dos Marqueses de Fronteira, considerado um dos melhores exemplos da arquitetura palaciana do séc. XVII em Portugal, foi mandado construir pelo 1º Marquês de Fronteira, D. João de Mascarenhas, no terceiro quartel do séc. XVII.

 

Após o terramoto de 1755, o palácio foi alvo de melhoramentos e ampliação. À arquitetura maneirista de séc. XVII juntaram-se belas decorações barrocas, e passou a residência permanente da família, que ainda hoje aí habita.

 

O Palácio encerra uma notável riqueza azulejar com particular incidência na Sala dos Painéis Holandeses, na Galeria das Artes e na Sala das Batalhas onde azulejos pintados retratam a história do 1º Marquês de Fronteira, herói da Guerra da Restauração.

 

 

 

 

 

O palácio está rodeado por magníficos jardins de risco geométrico, nos quais a água, em fontes e tanques, tem uma presença polarizadora.

 

A azulejaria - de temática mitológica, do quotidiano e macacarias - combina com os jogos de água, as espécies vegetais e a estatuária.

 

No extremo do Jardim de Vénus encontra-se a "Casa de Fresco" com 3 fontes, 12 nichos e uma cúpula revestida de embrechados, e em frente desta o curioso tanque dos Duplos S à volta do qual se encontram bancos ornamentados por grutescos.

 

No Grande Jardim ou Jardim Clássico, em cujo traçado e ornamentação se insinuam influências francesa e italiana, destacam-se a Galeria dos Reis com bustos de todos reis portugueses até D. João VI e o tanque grande com 14 arcos e onde se encontram grandes painéis de azulejo representando 12 cavaleiros, os antepassados mais notáveis da família.

 

O Palácio e os Jardins, cujo invulgar conjunto azulejar é de salientar, são património da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna e estão classificados como Monumento Nacional.

 

 

Ver mais aqui.

 

Alice Alfazema

 

2 comentários

Comentar post