Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Marionette

17.11.20, Alice Alfazema

 

 

marioneta.jpg

Ilustração Szimonidesz Hajni

 

Se tivesse de escolher uma cor para dar significado a este ano de 2020, seria o vermelho, porque é uma cor que  me faz lembrar: de coração, de amor, de sangue, de partilha, de ódio, de força anímica, é uma cor contraditória, viva, envolvente, nem sempre bem interpretada, quando é vermelho? quando é encarnado? de encarnarmos.

Talvez  o ano nos tenha encarnado, tal como nós encarnamos a natureza humana, não numa visão de criar carne, mas de assumidamente nos resumirmos apenas à nossa condição perene. Se o ano fosse um objecto, eu escolheria uma marionete que por vezes nos cativa e outras nos aterroriza,  levando-nos para cenários diferentes dentro do mesmo teatro, a manipulação da marionete é feita com destreza, afinco, dedicação, dor, ousadia, e alguma delicadeza para que os fios não se entrelacem. Possivelmente a vida continuará dentro de momentos.