Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Março mês da Mulher: Dia Internacional da Mulher

08.03.14, Alice Alfazema

 

É muito triste termos um dia só para nós, quando deveríamos ter todos.

 

Estas flores são para aquelas mulheres fracas, as deprimidas, as cansadas, as exaustas, as exploradas. Para aquelas que arrumam a casa, que cozinham, que acordam a refilar, aquelas que não são originais, que não têm blog, nem carro, nem pintam o cabelo, nem seguem as tendências da moda, que não usam batom. Para aquelas que se preocupam com os outros e se esquecem delas próprias, para as que não são chefs e cozinham maravilhosamente e ganham uma miséria, para as inúmeras que trabalham como auxiliar deste e daquele e vivem na margem. Para aquelas que não se valorizam, para as doentes, as feias, as gordas, as escanzeladas, as loiras, as pretas, as ciganas, as morenas feiosas, as que não têm olhos azuis, as loucas, as preguiçosas que têm a casa desarrumada, para as que nunca escreveram um livro, para as que não são actrizes, para as que não são cantoras, para as que têm celulite, para as que gritam, para as que não têm paciência, para as velhas que não têm botox, para aquelas que não sabem ler, para as que estão em cenário de guerra, que sofrem de violência doméstica, para as que não são bombas sexuais, e por todas as outras que ficaram por dizer. Porque isto de ser-se forte é um mito construído nas revistas cor de rosa e outros acessórios que tais.

 

Alice Alfazema

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.