Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Gratidão por desconhecidos

18.09.20, Alice Alfazema

o elefante e o homem.jpg

Nesta imagem serena mora um homem que vê passar o tempo, e que sabe que só ele leva as mágoas para longe. E sabe  também que o tempo tem a capacidade de unir e separar, de ser cruel e bondoso. Todas as vidas que se cruzaram e separaram enquanto escrevi este paragrafo? Não sei, ninguém sabe, apenas o tempo, esse que passa e não o sentes.

Dedicar a nossa vida aos outros é uma tarefa árdua e longa, que exige uma dádiva constante. É maravilhoso vermos  que existem pessoas que se dedicam aos outros muito mais que a si mesmo. E fazem-no de sorriso no rosto, com gosto, num desprendimento total de posse. 

 

o hoem e a iena.jpg

 

A importância da bondade espontânea vê-se a cada gesto de carinho partilhado entre homens e animais. A bondade prova que a descrença vale tão pouco. Num mundo em que somos mais iguais do que aquilo que nos pregam. A sensação de partilha de um amor que nos é intrínseco.  

 

pangolin.jpg

 

O meu sentimento de gratidão por gente assim é enorme. Emociona-me esta entrega, estes sorrisos, esta vida simples, mas tão grandiosa. Compreendo este amor que não se explica facilmente em palavras, pois é um amor mais prático, feito de gestos, de escolhas, de decisões difíceis, de morte. É um amor de quem sabe que pode ser a última oportunidade para existir. 

 

 

 

 

Fotografias Wild Is Life ver mais aqui.