Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Flores

19.10.21, Alice Alfazema

anne.jpg

Ilustração Anne Cotterill

É surpreendente como vivem as flores através duma pintura, deixando pela mão de quem as pintou o seu perfume em modo infinito, colocadas na tela são eternizadas pelo momento, ficaram junto delas e assim capturadas: a luz daquele dia, a melancolia daquela tarde e a finitude de um pensamento.

 

 
Há sempre um anjo que vela
Sob a forma de um gesto
De uma palavra
De um sopro
De um acorde
De um abraço
De um voo súbito
De uma canção.
Ao alcance do que nem pedimos.
 
 
O poema é de Maria José de Barros 

13 comentários

Comentar post