Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Família

23.09.20, Alice Alfazema

o gato e o piriquito.jpg

Ilustração Olga Peganova

 

Como se define o que é família? Quem é parente? Quem está presente? Quem cuida? Quem é da mesma espécie? Ou são os laços visíveis e os invisíveis que nos unem e nos transformam em família? Mesmo que não sejamos do mesmo sangue ou até da mesma espécie. 

Parece haver um fio condutor que nos une e nos leva àquilo que pode ser família, mesmo que não estejam reunidas todas as condições que a sociedade  impõe para a designação do termo família. É preciso sentir, não apenas saber ou descobrir um mero laço de sangue ou vestígios de ADN.

Família não é assim uma coisa vaga ou expressa numa certidão de nascimento, ou feita através de  um óvulo fecundado por um espermatozóide.  Família pode ser, as milhentas ligações emocionais que temos ao longo do tempo, quer sejam aquelas que construímos propositadamente ou as que se nos oferecem como imposição e que depois parecem fazer parte de nós desde sempre. 

 

2 comentários

Comentar post