Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Exposição fotográfica: O esplendor da vida submarinha

Museu Natural da Biodiversidade da Universidade de Évora

29.11.20, Alice Alfazema

polvo.jpg

Fotografia IX – Octopus vulgaris (Cuvier, 1797), Sesimbra| Autoria: © João Pedro Silva

 

Entre os animais que encontramos mais frequentemente debaixo de água, os polvos serão provavelmente os mais inteligentes. E cada polvo é diferente, tem personalidade, uns mais curiosos, outros mais tímidos, uns temerosos e outros assustadiços. Este em particular, tem uma história. Eu estava a fotografar pequenas lesmas marinhas (nudibrânquios) quando senti algo a envolver-me o braço e a puxar lenta mas firmemente. Olhei para o lado e vi um grande polvo, talvez no fim da sua curta vida, a largar o meu braço e a mover-se para a minha frente. E parou. Nesse momento, alterei a configuração da câmara e a posição dos flashes e tirei duas fotografias. E tão lentamente como chegou, começou a afastar-se. Fiquei com a nítida sensação de que me tinha pedido para o fotografar.

 

 

É muito gratificante aprender algo novo, e para mim é sempre surpreendente a partilha desse conhecimento. Então, deixo-vos aqui uma sugestão para que conheçam a nossa vida submarinha, com fotografia e textos de João Pedro Silva. Trata-se de uma exposição virtual, onde cada fotografia é acompanhada de um texto explicativo sobre a mesma. São recortes feitos em vários pontos da nossa costa, onde o colorido nos encanta na descoberta de pequenos mundos secretos. Podem ver toda a exposição fotográfica na revista Naturæ digital.

banner-editorial-naturae.png

Naturæ digital é uma revista de cultura científica com acento tónico na biodiversidade, na ecologia e nas alterações climáticas, privilegiando, como destinatários, os professores e os jovens de todos os escalões etários, e tendo em mira não só os ensinos regulares mas também a formação para a cidadania ambiental.

Neste óptica, daremos destaque às boas práticas ambientais empreendidas por instituições públicas e privadas, que incorporem uma preocupação com a preservação da natureza, a sustentabilidade ambiental e o fomento da economia circular.

Naturæ digital tem, na sua retaguarda, o Museu Virtual da Biodiversidade (MVBIO), um enorme repositório em contínuo crescimento, composto por fichas descritivas das espécies e habitats, ilustradas com recurso às tecnologias digitais de comunicação e imagem, à perícia de fotógrafos nacionais e estrangeiros e ainda à mestria dos ilustradores portugueses.

Naturæ digitalnão ignora que “de pequenino é que se torce o pepino” e, por isso, disponibiliza um conjunto diversificado de iniciativas lúdicas destinadas às classes de mais tenra idade, promotoras do conhecimento de animais, plantas e cogumelos.

Naturæ digital recorda Leonardo Da Vinci quando este afirma que “a ciência mais útil é aquela cujo fruto é mais comunicável” e convida a comunidade científica a partilhar o seu espaço de comunicação.

 

Jorge Araújo, Professor Catedrático Emérito da Universidade de Évora

 

 

Para verem a exposição e conhecerem a revista basta clicarem na imagem acima, terão também acesso ao Museu Virtual da Biodiversidade da Universidade de Évora.  

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.