Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Espantalhos

10.10.15, Alice Alfazema

espantalhos.JPG

 

O espantalho é uma metáfora do sujeito que se sujeita aos hábitos do quotidiano.

 

No meio do arrozal, o espantalho parecia um homem de verdade. Batista havia caprichado. O chapéu e o terno velho que ostentava tinham vindo da Itália, foram de seu finado avô, que morrera há muitos anos. Tio Davi parou a cinco ou seis metros do espantalho. De longe, só se notava sua cabeça acima da plantação.

– Parece gente – comentou com as crianças. – O toco em que seu pai armou esse espantalho estava ali desde o começo do mundo. É o toco de uma madeira que dura a vida inteira, enquanto existir o mundo ela também existirá.

 

(PORTINARI, Antonio. Portinari menino. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980, p.111.)

 

À figura de espantalho, a que se impõe cada acção pensada como de inteligente, mas que no fundo apenas nos remete para o achincalhamento do outro. Pensará, então, que o espantalho estava naquele campo que era seu, no entanto enganou-se, afinal era ele o próprio espantalho. 

 

Não é o fantoche mas o espantalho que te devora. Ao fantoche é-lhe dado voz e acção, ao espantalho é-lhe dado o sol, o vento, a chuva e a caca dos pardais. 

 

A súbita, a dolorosa alegria de um espantalho inútil

Aonde viessem pousar os passarinhos!

 

Mario Quintana

 

Dei-me conta de que entre um e outro existe a intempérie. 

 

Alice Alfazema

 

 

 

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Alice Alfazema

    11.10.15

    Obrigada e boa semana, com sol ou sem ele.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.