Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Escopo a escopo

19.11.20, Alice Alfazema

escultura.jpg

Ilustração Amanda Oleander

 

Todos somos escultores do nosso próprio corpo, não só dele, mas de tudo aquilo que representamos. É interessante pensarmos que esta mesma estátua está em constante mudança, que pequenas nuances afrontam-nos, dando marcas desnecessárias à matéria, que quando é nova aguenta-se, também depende das intempéries envolvidas, escopo a escopo vamos avançando àquilo que julgamos a melhor versão, mas a arte é mesmo assim, uns gostam outros não. 

 

 

4 comentários

Comentar post