Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Dislexia

13.01.21, Alice Alfazema

estrelas.jpg

Poderiam ser cenários de um outro mundo, mas não são. Poderiam ser fantasias de um artista deveras criativo, talvez sejam. Parecem verdadeiras obras de arte, cuidadosamente criadas, horas e horas de intenção utilitária. Um abrigo. Uma barreira. Uma corrente aérea. É pedra. É neve. 

lago.jpg

Museu ao vivo. Sala aberta à aventura. Escadas para os sonhos mais incríveis. Sempre em mudança. A despertar os sentimentos. Incompreendido. Pouco valorizado. Irrelevante para a grande maioria. Desconhecido. Sem propósito. Este é o nosso mundo. O que pisoteamos vezes sem conta.

estrelas.jpg

Asag teve relações sexuais com todas as montanhas do mundo. Só o cume das montanhas satisfazia Asag. Porém, as rochas mais altivas tinham medo de como seria o filho de Asag. Já que, embora as montanhas fossem belas, Asag era o demônio mais repugnante do mundo. Tão horrendo que só sua presença fervia vivo os peixes dos rios e trazia malária aos homens nus. Após setenta e sete eras, num dia quente e púrpuro, Asag expeliu seu filho sobre uma absorta planície. O filho de Asag espalhou-se como uma lama sob as montanhas que, assustadas, temiam a insurgência de um ser rochoso e putrefato. Depois de 7 dias de chuva prateada, sob o pé da cordilheira ergueu-se uma criatura ruidosa coberta de pedra a qual o homem chamou de cidade.

ceu.jpg

 

As fotografias são de Jürgen Stern

Poema é de Bruno Villela

 

1 comentário

Comentar post