Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

#diariodagratidao 09-06-2019

09.06.19, Alice Alfazema

arrendilhado.jpg

 

Fotografia de José Macedo

 

 

 

Eu não quero nunca ficar indiferente, 

sentir-me vazia e sem memória.

Quero ter sempre alma de criança,

sorriso maroto e alegria de ser. 

 

 

Quero deixar sementes e podas daquilo que fui, mesmo que eu seja breve e leve neste mundo. Tenho trabalhado arduamente para isso, não quero colher nada, quero que desfrutem de mim quando eu me for, que se lembrem, que me afaguem na memória e me busquem na praia ou numa árvore qualquer, no cheiro da Serra e no calor do Sol. Quero ser breve, e leve e voar por entre planícies e montes, passear  como uma brisa nos vossos cabelos e tocar de mansinho no bater do vosso coração. Quando isso acontecer terei criado raízes e deitado sementes.