Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Diário dos meus pensamentos (44)

02.05.20, Alice Alfazema

arvoredo.jpg

 

 

Eu não estou cansada destes dias, apenas não quero voltar a viver da forma como vivia antes deles. Não quero, já não me revejo, nem ambiciono. E isto é um desejo muito forte, que tenho de trabalhá-lo e de batalhar bastante para conseguir alcançá-lo. É um caminho que estou a percorrer há alguns anos, em que apesar de demonstrar ser essa a minha vontade, tenho tido sempre obstáculos que não consigo ultrapassar, alguns deles sei que existem, mas são de difícil comprovação. Redes invisíveis se propagam ao nosso redor, são obscuras, dúbias, que nos podem levar até a duvidarmos de nós próprios, são quase maquiavélicas, (não sei se não hei-de retirar o quase). Por vezes há a sensação que a força depende apenas de nós,  é mentira, depende também, e muito, do ambiente ao nosso redor. Da forma como os outros nos vêm como alvos a abater, ou de como somos coisas inúteis, apesar de demonstrarmos inúmeras vezes o contrário. Neste tempo, tenho avaliado a causa do meu descontentamento e cheguei à verificação que isso se deve em grande parte ao ambiente em que estou inserida, não por uma imposição definitiva, mas antes num dever de o frequentar todos os dias. Não sei ser indiferente. Quero sair desta vida fazendo a diferença, sentir-me útil a maior parte  dos dias,  e se esse espaço me está a ser vedado tenho de ir em busca dele num outro lado.

 

arvoredo1.jpg

 

 

A reflexão pode ser dolorosa, a acção ainda mais, mexer naquilo que queremos acabar, exige fazer um desprendimento emocional com todos os sentimentos que adquirimos ao longo dos anos, talvez seja como fazer uma viagem deixando a bagagem no ponto de começo, neste caso recomeço. Qualquer dia é um dia bom, não precisa ser quarta, nem domingo, pode ser um outro dia qualquer, o que me importa verdadeiramente é que esse dia chegue depressa. 

 

arvoredo2.jpg

 

 

 

As ilustrações são de  Martina Heiduczek

5 comentários

Comentar post