Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Diário dos meus pensamentos (34)

22.04.20, Alice Alfazema

23361059_507199256327407_915419042_n.jpg

 

A  portaria cheirava a mofo. A escola estava vazia, não só há um afastamento social, como também há uma anulação das vozes, é como se as pessoas poupassem em palavras para gastarem em pensamentos. As nêsperas estão todas depenicadas pelos pássaros, as avencas levaram um desbaste valente, hão-de crescer, como crescem sempre. Os pombos continuam a procriar, a árvore de maçã riscadinha está cheia de flor, este ano talvez vingue alguma maçã. Alguns pais vieram buscar os livros aos cacifos dos filhos, outros os trabalhos escolares para fazerem em casa, alguns vão recebê-los pelo correio. Uns ficaram admirados com a lixarada que viram dentro dos cacifos, uma mãe reconheceu a caixa da comida há muito perdida, viram também um coração desenhado com uma declaração de amor. Eu ri-me, nada daquilo é novidade para mim. Até elogiei a arrumação, dizendo que há piores. Perguntaram-me se tinha saudades deles, perguntei também aos pais se tinham saudades nossas, riram-se, a mãe disse que tinha saudades da escola, ela é que tinha, ri-me.   

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.