Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Dia da Mãe, Dia do Trabalhador

Maio mês do coração

01
Mai22

 

IMG_20220501_174454.jpg  

Hoje assinala-se o dia da mãe e simultaneamente  o dia do trabalhador, em resumo começa também o mês dedicado ao coração, sem dúvida que estas duas dimensões da nossa vida - a mãe e a trabalhadora -  são grandes alavancas para fazer bombear o nosso coração, numa e noutra poderemos encontrar alegrias e tristezas que podem afectar, para o bem ou para o mal, o nosso coração. Cuidar do nosso coração exige esforço e equilíbrio entre estas duas áreas, e também naquilo que somos, o Eu - num acto torna-mo-nos três em um - somos o eu, a mãe e a trabalhadora. Descurar o eu não é tido muitas das vezes em conta, porque as outras duas dimensões agigantam-se de tal maneira que o eu revela-se apenas um apêndice.

Sabemos que trabalhar é um meio de sobrevivência, para nós e para as crias, ser mãe é também um acto de sobrevivência da espécie, que numa analogia poderá ser comparado a um salto de paraquedas, sabemos que vamos saltar, só não sabemos como vai correr, é inevitável, avassalador, incrível, assustador. Não haverá receita mágica para ser-se a melhor mãe, porque é um trabalho sem finitude, não há descanso no pensamento, nem no coração, fisicamente exigente vinte e quatro horas por dia.

Trabalhar poder-se-à reduzir-se a um mero horário, mas não é só isso, poucos são os que trabalham naquilo que gostam, como podemos proteger o nosso coração fazendo algo que não gostamos(?).

É muito difícil manter-mo-nos saudáveis nestas duas dimensões da nossa vida, alguma há-de falhar, ou resultar menos bem, se antes carregámos um mundo na barriga, agora sentimos que carregamos um mundo às costas.  

Em Portugal, apesar da Lei abranger o direito parental, ainda assistimos à discriminação salarial entre homens e mulheres, e sendo que um dos factores de discriminação é o facto de a mulher ser mãe ou vir querer a sê-lo, no nosso país a taxa de natalidade tem vindo a baixar, se por um lado isto deve-se aos baixos salários, também se deve às condições de empregabilidade onde vão sendo cada vez mais os horários desfasados com o seio familiar.

Ser-se mãe em Portugal é desgastante, exigente e por vezes humilhante em meio laboral e social, ainda não existe cultura social e política em benefícios que superem o ser-se mulher - mãe - trabalhadora.  Apenas o coração supera isso.

IMG_20220501_174506.jpg

6 comentários

Comentar post