Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Chá de violetas (4)

Robinson Kanes

03.05.20, Alice Alfazema

chá de violetas.jpg

 

O dia hoje está tão quente que vamos beber o chá com violetas com umas pedrinhas de gelo. Este calor faz-me lembrar mergulhos e caminhadas à beira-mar, o cheiro a maresia no ar, gaivotas rasando as ondas e a fazerem inveja aos que as olham e queriam também eles ganhar asas. Assim, mesmo sem asas, hoje tenho aqui na minha sala, paisagens que muito amo, e das quais tenho imensas saudades, só me faltam os cheiros, porque em palavras o Robinson, descreveu-as com o requinte de um viajante experiente e observador, apelando deste modo à nossa vontade de ir e conhecer mais e mais, esses recantos que para mim são mágicos, singulares e encantadores, e que todos os que puderam ver, talvez partilhem também as mesmas emoções, quando se elevam neste pedaço de barro vermelho que é depois engalanado pela nossa Mãe Natureza. 

 

 

 

 

My Dear Arrábida
 
 
 
 
 
Quando só há gaivotas e solidão, é que a Arrábida se revela, se entrega inteirinha.
Sebastião da Gama, in "Diário"
 

 

 

 

Existe um pequeno cantinho, naquele que é talvez o mais diversificado distrito do país. Um cantinho que nos transporta para um mundo novo e completamente diferente. Passadas as colinas da Serra do Louro ou da Serra do Risco, ergue-se uma paisagem abençoada pelos deuses, a Serra da Arrábida.

 

arrabida_azoia.jpg

 

Sebastião da Gama terá sido o grande poeta que foi, muito por culpa dos ares que se respiram daquelas terras. A pé ou de bicicleta, ou simplesmente estático a apanhar sol, a sentir a água do Atlântico, que ali tem uma cor especial, ou até, bem lá em cima, no Miradouro do Norte, a receber o ar marítimo - mil e uma histórias se cruzam e onde a Terra, não só a Humanidade, conta a sua longa história.

 

forte_s_filipe.jpg

 

A cor da terra nas botas ou nas rodas da bicicleta - vens da Arrábida, com os pneus assim - mostram que chegámos de uma outra dimensão. Que percorremos vinhedos, que andámos por densos matagais, pelo alcatrão quente de Verão e por alguns dos mais belos trilhos do mundo. Em cada curva, em cada elevação encontramos os frutos da terra, que não se resumem às tão apreciadas uvas, mas também a um sem número de cultivos, um sem número de aves e bichos rasteiros, um sem número de casas apalaçadas, belíssimas paisagens e até alguns dos mais belos cães de raça "Serra da Estrela", quem diria...

 

Entre Palmela e Setúbal, entre Azeitão e Sesimbra, parar para um queijo, para uma torta e um chá, para um inesquecível roxo - um dia é pouco para se dizer que se conhece aquele mundo. Dúvidas? Peguem em tudo isso, invadam a Bataria do Outão e sentem-se em cima do mar... Coloquem a toalha junto de uma peça de artilharia de costa e deixem que a natureza e as iguarias da região façam o resto. Desçam e subam, parem para mergulhar...

 

ribeira_do_cavalo.jpg

 

A Arrábida é mais que o passeio pelo seu alcatrão, é ir serra e mato adentro, é chegar sujo, cansado e acima de tudo, então aí sim, terminar com um peixe bem grelhado no Portinho ou mesmo em Setúbal, com uma mesa e tudo aquilo a que temos direito. 

 

Deixemos que "Serra-Mãe", do grande poeta com apelido de navegador, nos embale nestas aventuras... Para isso, sentemo-nos no caminho dos moinhos, já na Serra do Louro, e fechemos os olhos... Vamos escutar as palavras, vamos ouvir os rebanhos e os uivos do vento do Atlântico, que atravessam o Sado e entre os encontros com a serra chegam ao Tejo, bem visível lá ao longe.

 

serra_do_louro.jpg

 

 

Deixemo-nos embalar e quando as luzes do Castelo adornarem a paisagem nocturna de Palmela, deixemos a serra para os seus habitantes nocturnos e encontremos uma renovada cidade de Setúbal e se, não queremos deixar as alturas, nada como um copo no Forte de São Filipe e aí teremos a cidade aos nossos pés e Tróia a chamar por nós, quiçá para o dia seguinte.

 

 

Obrigada Robinson, gostei muito deste passeio maravilhoso, num espaço que me é tão querido. 

 

 

Vizinho:

Não É Que Não Houvesse...

 

 

 

 

 

26 comentários

Comentar post