Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Árvores monumentais - Araucária

Setúbal

09.08.21, Alice Alfazema

IMG_20210809_193134.jpg

É uma pena que em meio urbano não tenhamos mais destes monumentos vivos. Assim como se preservam monumentos feitos pelo "homem" também se deveriam preservar as árvores antigas. Tal e qual como quando visitamos um qualquer monumento e imaginamos o que por ali se passou, e por vezes até sentimos a energia que dali emana, também é assim com as árvores, quem nunca se sentiu atraído por um tronco e não resistiu a tocar-lhe, e ao fazê-lo é possível entrarmos na memória do tempo.

Olhando assim, vemos o quanto somos pequenos, na foto podemos ver o quanto ela é alta, e em como os seus ramos se erguem altivos ao céu, consigo imaginar a vista lá de cima, e em como deve ser um privilégio ter um ninho ali. Sabemos que o abate das árvores de grande porte em meio urbano tem levado ao declínio da diversidade de aves de rapina, e ao aumento da população de pombos, o que em alguma cidades já são uma verdadeira praga, Setúbal é uma dessa cidades. 

Não é justo, que se abatam estes majestosos seres não dando oportunidade à biodiversidade. Na foto vemos um homem idoso, os seus anos mais vigorosos já os viveu, mas e esta jovem alta e elegante, quantos anos terá ainda por viver?

 

5 comentários

Comentar post