Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

A vida de um filho

01.02.14, Alice Alfazema

Porque este é um assunto demasiado grave que não dever ser esquecido, porque fingir é compactuar com este tipo de crime, porque a sociedade somos todos nós, independentemente da hierarquia, porque a época colonialista já acabou, porque temos o dever de construir um mundo melhor, porque o ensino superior não é uma saída satânica envolvida em argumentos pomposos e capas com tranças, porque este assunto trás ao de cima a merda que anda escondida, porque a merda só é útil na terra.

 

Deixo estas palavras de uma mãe que recorda todos os dias a injustiça. Para ler a entrevista clique em cima do texto.  

 

Nós pais pagamos foi o passaporte para a morte dos nossos filhos. Nós andamos anos a pagar o passaporte para a morte dos nossos filhos. Eles só vêem números, não vêem a parte humana.

 

Porque o meu filho está sempre comigo. E eu não consigo desfazer-me das coisas dele. É uma dor que me acompanha até... até ao meu último dia.

 

Nunca haverá justiça que traga a vida de um filho, mas se construirmos um mundo melhor de certeza que essa justiça não será necessária. É disso que precisamos. 

 

Alice Alfazema

2 comentários

Comentar post