Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

A pandemia das ideias e dos outros

COVID-19

09.11.20, Alice Alfazema

1.jpg

 

As medidas quando são tomadas de modo contraditório, denotam a desorientação das ideias, levando à desorganização dos sistemas. Podemos ir ao supermercado, mas não podemos andar na rua, podemos ir trabalhar em transportes cheios, mas não podemos ir ao restaurante durante o fim-de-semana. As escolas estão cheias, mas não são focos de vírus. Ando bêbada e não sei qual a bebida que ando a tomar. 

 

2.jpg

 

Não morremos do mal, vamos morrer da cura. Podes estar com a tua família, mas se viveres sozinho deves manter-te assim. Ouves falar que as camas dos cuidados intensivos estão esgotadas em certo hospital,  tens curiosidade em saber quantas são e sabes depois que resumem-se a umas dez. Questionas-te, afinal há muitos doentes, ou poucas camas? Noutros há camas, mas não existem recursos humanos. E passamos meses nisto.

 

3.jpg

 

Fala-se em fome, perda de empregos, aumento de outras doenças, e um galopante agravamento da  miséria. Isso preocupa-me. Quais serão as medidas restritivas da miséria? Mais uma vez tudo se baseia em números. O pânico alastra-se, assim como a ignorância. 

 

4.jpg

 

Temos a mania que não somos animais, no entanto apanhamos os mesmos vírus. Este ser que somos e elevado à imagem de Deus aparece agora indefeso perante um organismo invisível. Temos então mais um fantasma para nos assombrar os dias. 

 

5.jpg

 

E se Deus for a terra que pisamos? E se o bater sísmico que se ouve a cada vinte e seis segundos for o coração de Deus? Estará Deus farto de nós? Os fantasmas são agora os sacos plásticos que transportamos para casa, os materiais que lavamos transloucadamente, mesmo que no intimo lá nos passe pelos neurónios que o vírus poderá já estar inactivo ou sem grande carga viral. 

 

6.jpg

 

Quantas máscaras mudamos por dia? Nem sei. Desapareceram dos jornais televisivos as crises humanitárias, a fome e a seca em África, e tantos outros assuntos que levam a mortes diárias não contabilizadas para pandemia. "Cá se vai andando com a cabeça entre as orelhas", fingindo que só temos um problema quando somos levados a pensar que há apenas um problema por resolver. O sentido crítico deixou de existir, passamos assim a coexistir com o pensamento único, que é agora a direcção que nos apontam, e a qual não devemos - nunca - questionar, como forma de sermos postos de parte, tal como quando temos um vírus desconhecido. 

 

7.jpg

 

As ilustrações são de Alan Macdonald

 

 

 

 

 

 

 

 

3 comentários

  • Não me diga que "E é bom saber que há muita gente que anda atenta ao que se passa à sua volta e com espírito critico!". Se é assim, isto só lhe interessa para certos assuntos. Afinal quase tudo é feito por interesse.

    Mas tem razão, "o pior que há em nós e nesta vemos que nem sempre os "bons da fita" são realmente os bons. (Muitos usam uma máscara!) O mundo tornou-se ainda mais perigoso (há muitos hipócritas).
  • Imagem de perfil

    Robinson Kanes

    09.11.20

    Se disser que existem assuntos que não me dizem nada, ou pouco, estaria a mentir, meu caro. Além de ter capacidades limitadas como qualquer ser-humano escuto todos os homens, mas falo a poucos... E sim, não posso estar em todos os combates, se o LDC consegue, óptimo.

    Todos temos uma máscara e todos temos um certo grau de hipocrisia... Uns vão maisl longe, e é desses que devemos ter medo.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.