Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

A indiferença

29
Jan22

No inverno de 2022, na cidade luz, numa rua de muito movimento - Rue de Turbigo, no bairro dos cafés, a poucos metros da Place de la République, entre uma loja de vinhos e uma de óculos, um homem de oitenta e poucos anos caiu e ficou desmaiado na rua, sem que ninguém o socorresse ficou nesse estado durante nove horas, pelas seis e pouco da manhã do dia seguinte um sem-abrigo deu o alerta às autoridades de socorro, no entanto o tempo tratou de tudo, o homem morreu de hipotermia grave, morreu porque não houve ninguém que tivesse tempo para parar, nem ninguém que fizesse um esforço por perceber o que poderia ter acontecido, nem quem tivesse empatia, ou solidariedade, ou amor ao próximo, um pouco de compaixão, ou de coragem, sim porque durante aquelas nove horas uma grande quantidade de cobardes passaram por ali e nada fizeram. Foi “morto pela indiferença”. Esse homem era René Robert, fotografo de renome, mas poderia ser qualquer outra pessoa, assusta pensar para onde podemos estar a caminhar.

3 comentários

Comentar post