Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

A fúria do açúcar

08
Out22

IMG-20221007-WA0001.jpegSinto saudades de algumas pessoas que tinham blogs, é que mesmo sem as conhecer pessoalmente, ou virtualmente, sem ter noção do seu rosto ou do seu corpo, sinto saudades das suas palavras escritas, que é como quem diz: da conversa posta avulso, sem esperar comentários, das opiniões e dos desabafos que ou fim e ao cabo são comuns a todos, a uns mais que a outros. 

As saudades de outros escritos, das viagens contadas como fôlegos quentes, daqueles que deixam vapor nos espelhos, dos diálogos banais que identificamos também como nossos, do quotidiano em paralelo que encolhe a solidão, enfim da vida posta em palavras sem som, naquilo que nos une ou nos afasta, sem filtros (como agora se diz, deixa-me rir, que se inventam palavras e expressões para assuntos velhos, é nestas alturas em que me sinto um dinossauro a ruminar demoradamente umas folhas de palmeira nuns trópicos virtuais).

E aqui estou eu, na fúria do açúcar, partilhando uns suspiros escritos em frases pronunciadas num teclado. Há quem assuma que os suspiros são tristeza de um canto da alma, alguns são suspiros vindos do coração, respiração profunda, coisa que refresca o ânimo, ou um suspiro de inspirar aquele cheiro que queremos guardar bem dentro de nós, um suspiro é "um básico" no armário da recordação.

 

IMG-20221007-WA0003.jpeg

5 comentários

Comentar post