Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

28 de Setembro 2019 - Pelo Rio Sado

06.09.19, Alice Alfazema
  Agora que terminaram as férias, agora em que as praias da Arrábida e Tróia, vão ficar vazias de gente, agora começa outra história. Agora que terminou a partilha de fotografias de golfinhos e festas de vinho e barco, de bronzeados e gelados,  agora que se dá o regresso às aulas e se come menos sardinha assada. Agora começa outra história. A história das dragagens no Rio Sado, na casa dos golfinhos, junto às pradarias marinhas, junto à desova da malta que habita no rio, no (...)

Escuridão luminosa

15.08.19, Alice Alfazema
Estamos numa espécie de Idade Média do tempos modernos, agora as pessoas têm informação, muita informação, mas não a utilizam de forma correcta, propagam-se então as notícias que têm anos como se fossem novidades, a fonte da notícia não é tida em conta. Há assim uns locais onde o povo se ajunta e grita, mas agora são gritos escritos, nada de atirar tomates e verduras podres, agora são os comentários de ódio, sem fundamentação. Depois uns riem, outros aplaudem, tal como (...)

#diariodagratidao 05-03-2019

05.03.19, Alice Alfazema
  Ilustração Gabriel Pacheco   Hoje fui ver o rio, havia temporal, gosto de temporais, dão-me a oportunidade de ver a capacidade camaleónica do rio e do oceano se transformarem. O rio estava cinzento e revolto, as gaivotas estavam recolhidas ou então voavam em voos rápidos levadas pelo vento. Na rua um casal passeava abraçado debaixo do guarda-chuva, pareciam alegres apesar de estarem molhados. A chuva escorria pelas vidraças e a roupa não enxugou, foi um dia de preguiça e (...)