Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Leituras de Verão

14.07.19, Alice Alfazema
  Olá pessoal, deixo aqui a minha leitura deste Verão, Banda Desenhada, é a descontracção total, podemos fazer as paragens que quisermos, paramos para comer um gelado, para dar um mergulho, para ladrar... sem perder o fio à meada, podemos ler e reler que há sempre algo novo que não vimos na primeira leitura, uma cor, um ou outro pormenor caricato, um balão que nos esquecemos. A Banda Desenhada é mais que uma leitura: é pura diversão e dá liberdade ao olhar. É leitura (...)

b

27.02.19, Alice Alfazema
  Ilustração Joseph Lorousso     "BASTA-ME um pequeno gesto, feito de longe e de leve, para que venhas comigo e eu para sempre te leve…   – mas só esse eu não farei.     Uma palavra caída das montanhas dos instantes desmancha todos os mares e une as terras mais distantes…     – palavra que não direi.     Para que tu me adivinhes, entre os ventos taciturnos, apago meus pensamentos, ponho vestidos noturnos,     – que amargamente inventei.       Cecília Meireles,  Viagem

Paixão

24.08.17, Alice Alfazema
  Ilustração Pierre-Emmanuel Lyet     li algures que os gregos antigos não escreviam necrológios, quando alguém morria perguntavam apenas: tinha paixão? quando alguém morre também eu quero saber da qualidade da sua paixão: se tinha paixão pelas coisas gerais, água, música, pelo talento de algumas palavras para se moverem no caos, pelo corpo salvo dos seus precipícios com destino à glória, paixão pela paixão, tinha? e então indago de mim se eu próprio tenho paixão, (...)