Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Lagos

12.12.20, Alice Alfazema
Ilustração Adrian Sykes   Há pessoas que são como lagos, sem margens, presas na mesma paisagem, no entanto acham-se mar, no fundo o lodo dá-nos a diferença, acrescente-se  a falta de maresia.      Contemplo o lago mudo Que uma brisa estremece. Não sei se penso em tudo Ou se tudo me esquece.   O lago nada me diz. Não sinto a brisa mexê-lo. Não sei se sou feliz Nem se desejo sê-lo.   Trémulos vincos risonhos Na água adormecida. Por que fiz eu dos sonhos A minha única vida? (...)

Salganhada de Natal

Galinha ao molho pardo

08.12.20, Alice Alfazema
Ilustração Nemuiro   Ao chegar da escola, dei com a novidade: uma galinha no quintal. O quintal de nossa casa era grande, mas não tinha galinheiro, como quase toda casa de Belo Horizonte naquele tempo. Tinha era uma porção de árvores: um pé de manga sapatinho, outro de manga coração-de-boi, um pé de gabiroba, um pé de goiaba branca, outro de goiaba vermelha, um pé de abacate e até um pé de fruta-de-conde. [...] De um lado o barracão com o quarto da Alzira cozinheira e (...)

Iluminações de Natal 2020

07.12.20, Alice Alfazema
É Natal no sofá, numa sesta domingueira, no quente da sala, no cheiro da comida que paira pelo ar, é Natal nos planos para o futuro, na espera, na escuta, na empatia, é Natal onde quiseres, quando for necessário, é Natal sem data marcada, é Natal quando tocam os sinos, é Natal quando sorrimos, quando damos colo e afago.   

Dezembro

2020

01.12.20, Alice Alfazema
  O primeiro dia é sempre de admiração, depois de dividirmos os meses em montinhos de trinta, ou mais ou menos trinta. Como se os dias ficassem mais leves de contar se estiverem agrupados em prateleiras certas e quase iguais. E os últimos trinta e um do ano chegaram. Parecem-me os restos de um café com leite que ficou no fundo de uma caneca,  e que alguém te obriga a beber tudo até ao fim, já frio, com migalhas ensopadas. Toma lá o resto, vá só falta isso, mais um golo, (...)