Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

#diariodagratidao 06-04-2019

06.04.19, Alice Alfazema
  Ilustração  Denis Carrier   Hoje foi um sábado igual a tantos outros, fiz os mínimos de limpeza cá em casa, depois estendi roupa, lavei loiça, fiz o almoço, foi peixe cozido com batatas, fui beber um café à rua, espirrei durante grande parte do dia, tenho o nariz inchado, parece que vai explodir a qualquer hora. Vi um filme durante a tarde enquanto o Ginjas e o meu marido dormiam no sofá. Mas o melhor do dia foi ter escrito no blog sobre a dor de corno (...)

Chá de fim de ano

29.12.18, Alice Alfazema
    Ilustração Paul McKnight   Tenho cá por casa, em muitos sítios, muitos textos escritos por mim, este que vou deixar aqui hoje já não me lembro de quando o escrevi, também me acontece ficar surpreendida com aquilo que escrevo, não me lembro de ter escrito aquilo, poderia escrever muito mais, mas as ideias fogem-me, esqueço-me delas, são como bolas de sabão, puf, já se foram.   Sentem-se confortavelmente e bebam comigo este chá de fim de ano:   Qual a diferença entre (...)

Bom dia :)

05.07.18, Alice Alfazema
  Um dia, quando começa, parece igual aos outros. A mesma luz que entra pela janela, ruídos de obras e automóveis, vozes…   Mas o que nesse dia me falta é outra coisa: a tua voz, a surpresa de cada instante que me dás, uma luz diferente que não vem de fora, da mesma rua e do mesmo céu, mas de dentro de ti.   Assim, o que faz a mudança do mundo e das coisas não é o mundo nem as coisas:   somos nós, e a relação que nos prende um ao outro – isso que, não sendo nada (...)

"A amizade é amar o destino do outro" (São Tomás)

04.06.18, Alice Alfazema
Quando eu era pequena lia algumas vezes a Bíblia e fascinavam-me as história dos Santos. Para mim o Céu e o Inferno eram separados por uma pequena linha extremamente frágil. Uma linha de cristal. Que a qualquer momento poder-se-ia quebrar. Imaginava-a como uma ponte de vidro fino que teríamos que percorrer, que ora nos poderia levar ao paraíso ou ao tão temido inferno.   O percurso de vida dos santos, as suas provações e finalmente a sua conversão eram temas que me punham (...)