Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Um sorriso ao contrário

30.03.15, Alice Alfazema
Imagem Osman Sagirli   Esta criança síria confundiu a máquina fotográfica com uma arma e rendeu-se. Provavelmente terá uns meros três anos, mas uma realidade violenta que lhe entra todos os dias pela mente. Nada de creminhos e fotos fofinhas, nem os problemas com os choros infernais de noite devem preocupar os seus pais. Apenas as balas não são fofinhas, nem levam a risinhos e roupinhas de marca. Nada de problemas de hiperactividade, há muito mais com que se preocupar. Um (...)

Bebe um chá

06.03.15, Alice Alfazema
  Ilustração Rebeca Luciani   O que tens? Estás doente? Não. Dói-me a barriga. Porquê? Comes-te alguma coisa que te fez mal? Não, foi uma bota biqueira de aço.   Hoje apetece-me chorar.   Alice Alfazema  

Dia mundial da criança

01.06.14, Alice Alfazema
  Desenho de Dran, arte de rua.      Havia um menino que tinha um chapéu para pôr na cabeça por causa do sol.  Em vez de um gatinho tinha um caracol. Tinha o caracol dentro de um chapéu; fazia-lhe cócegas no alto da cabeça.  Por isso ele andava depressa, depressa pra ver se chegava a casa e tirava o tal caracol do chapéu, saindo de lá e caindo  (...)

Ucrânia

20.02.14, Alice Alfazema
O vento e o bosque falam. Falam de esperança, de um mundo melhor, de movimentos pela Paz, pela Liberdade, falam daquilo que deveríamos ter direito sem ser necessário impor. Na minha escola existem meninos ucranianos, não quero vê-los chorar, gostaria que o vento e o bosque trouxessem boas notícias que os fizessem sorrir. O vento e o bosque falam, Sussurram os juncos, O barco vai com as vagas Só no vasto mundo. O barqueiro naufragado Foi-se na corrente, Cheio de água vai o barco E (...)

Uma pergunta por dia: O que faz com as suas tampinhas?

17.11.13, Alice Alfazema
      Por um motivo ou outro todos temos conhecimento de alguém que precisa de uma cadeira de rodas nova. Geralmente são crianças, que em fase de crescimento se torna necessário mudar de cadeira. Entretanto, muitas delas são confrontadas com o desconforto do dia-a-dia que sendo difícil, assim, ainda se torna pior.   Para quem nunca teve de enfrentar estes problemas, poderá achá-los de menor importância, pois como tal, tenho verificado que apesar de haver muitas campanhas de (...)

Uma pergunta por dia: A brincadeira de crianças tornou-se uma especialização de adultos?

04.10.13, Alice Alfazema
"como o Kidzania [onde as crianças brincam às profissões, em Lisboa]". Ali, ironizou, "os adultos são tratados como crianças e as crianças são tratadas como pequenos adultos" Luís Januário Imagem e texto do jornal Público Quem planta uma floresta Planta uma festa. Planta a música e os ninhos, Faz saltar os coelhinhos. Planta o verde vertical, Vert (...)

Uma pergunta por dia: De onde vem os sonhos?

07.09.13, Alice Alfazema
  Peguei nas tábuas que tinha apanhado no entulho daquela casa vazia. Fui buscar os pregos que estavam escondidos no armário da cozinha. Pedi emprestado ao tio João o martelo e pus mãos à obra. Fiz um desenho no chão, as rodas, o volante...Preguei aqueles pregos com toda a minha força. A minha energia ficou naquelas tábuas. Alguns ficaram tortos, não faz mal. Pintei as rodas de preto e branco. Deixei secar. Já falta pouco para a poder experimentar. Está linda. Vou descansar um (...)

Meninas e meninos

31.05.13, Alice Alfazema
  Pintura de Alyona Krutogolova   Tenho um livro sobre águas e meninos. Gostei mais de um menino que carregava água na peneira. A mãe disse que carregar água na peneira Era o mesmo que roubar o vento e sair correndo com eles para mostrar aos irmãos. A mãe disse que era o mesmo que catar espinhos na água O mesmo que criar peixes no bolso. O menino era ligado em despropósitos. Quis montar os alicerces de uma casa (...)