Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Conversas da escola - As senhoras do bar

25.09.18, Alice Alfazema
Como sabem estamos no início do ano lectivo e existem muitos meninos que vieram da escola primária, a maioria já tem dez anos de idade, uma década de vida! Alguns são extrovertidos outros envergonhados. Todos estão a experimentar um novo espaço, onde conhecem novas pessoas e outras rotinas. Uma escola de 2ºciclo é bastante diferente da uma escola primária, aqui há mais espaço, há outras valências, há que tornar-se autónomo, estar atento à campainha, aos trocos, comprar a (...)

Conversas da escola - Alicinha, que tipo de pano usam na higienização da vossa escola?

20.08.18, Alice Alfazema
Pergunta interessante...Caro Senhor Ministro da Educação.   Para quem não sabe somos muito criteriosas na limpeza que fazemos na escola, usamos os melhores produtos, alguns trazidos de casa pelas colegas, a exemplo disso posso dizer-vos que quando as portas estão sem brilho, lá aparece um restaurador de móveis, ou um produto para retirar o calcário e dar brilho às torneiras, ou ainda cera, por vezes um velho pincel, um resto de tinta, lixas, pregos, parafusos, um tecido para (...)

Conversas da escola - Entre a despedida e o agradecimento fica uma flor

25.06.18, Alice Alfazema
  Um miúdo de dez anos aproxima-se do balcão do bar da escola, traz uma florzinha destas em cada mão. Estamos no último dia de aulas. Grita para mim enquanto põe as mãos no ar:   - Onde é que está a outra pessoa que costuma estar aqui?   Referindo-se à minha colega. Chamo-a. Entretanto dá-me esta flor.   - Tome é para si! -  E dá a outra à minha colega de jornada. -    Entre a despedida e o agradecimento fica uma flor, e é disto que é feito o meu trabalho, de (...)

Conversas da escola - De frente e de costas

16.06.18, Alice Alfazema
Tenho uma colega que trabalha a tempo parcial na escola,  o seu horário de trabalho na escola vai do meio da manhã  até por volta das duas, quando chega já vem de uma outra escola, onde faz a recepção dos alunos na versão ATL, fica com eles até que as aulas comecem, ganha mais nesse curto espaço de tempo, do que naquele que está como assistente operacional na escola, pergunto-lhe:   - Então ganhas mais a fazer esse trabalho do que aqui? - Sim, mas é um trabalho diferente! (...)

Conversas da escola - ATL

16.06.18, Alice Alfazema
Último dia de aulas:   - A que horas começam as actividades? - Às dez. - Mas, ainda são oito e isto já está cheio de miúdos. - Estamos a trabalhar na versão ATL, e já estão aí  miúdos desde as sete e trinta e cinco, que foi quando abri a escola.     Alice Alfazema      

Conversas da escola - Merda rala/UL-250

14.06.18, Alice Alfazema
Mãezinha querida falando sobre a sua filha com a funcionária que está na portaria, vulgo auxiliar ao portão da escola:   - Ela está suspensa e você está-se cagando para isso.      É bom termos elogios destes no nosso local de trabalho, dá-nos um outro ânimo. Concordam comigo? Ou devemos tomar UL-250?      

Conversas da escola - De que equipa és tu Alicinha?

12.06.18, Alice Alfazema
Conversa entre Alicinha Contina e a sua chefe, o tema é sobre o trabalho de equipa nas escolas e o que sai na comunicação social.   Alicinha Contina: - Eu tenho desgosto, nós não pertencemos a lado nenhum, parece que somos uma empresa à parte. Sua chefe: - Então, nas empresas há os trabalhadores, as equipas de limpezas e as de manutenção, nós somos as de manutenção.     Alice Alfazema, a Contina Rebelde

Das cadeiras desarrumadas às cabeças ocas

07.06.18, Alice Alfazema
Ilustração  Jane Spakowsky   Hoje logo pela manhã, enquanto tenho o bar fechado e estou a preparar a vitrine, os miúdos estão na sala polivalente conversando e esperando o toque da entrada, por vezes há muito barulho, cadeiras arrastadas, gritos, risadas, enfim um mundo de gente junta. Assim que toca a maioria levanta-se e vai embora, alguns arrumam as cadeiras, outros não, há quem deixe o seu lixo em cima das mesas ou pelo chão. Não há enraizado o respeito pelo espaço do (...)