Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

O estranho caso das gémeas (gêmeas)

24
Jun24

 

Fictional World of Agatha Christie.jpg  

É  de louvar louvando que uma grande parte das pessoas, comentadores, comentadeiras, e comentadoritos,  sinta imensa empatia pela mãe das gémeas por ela ter usado o "pistolão", é certo que a mulher conseguiu o que queria para as filhas, seu maior propósito enquanto mãe, quanto a isso não há grande coisa a dizer, milhões de mães lutam todos os dias pelo bem estar dos seus filhos. 

O que me causa estranheza, aqui neste nosso país à beira mar plantado é o facto, de muito pouca gente se indignar com aquilo que se passa todos os dias com as crianças - que vivem e moram aqui e precisam por exemplo de uma cadeira de rodas - segundo consta as crianças visadas ganharam uma cadeira de rodas cada uma (top de gama) que só por acaso nunca foram usadas - , pois aqui  anda uma criança e os pais e amigos e seja lá mais quem for a angariar toneladas de tampinhas plásticas para que se consiga comprar uma cadeira de rodas nova, isto porque as crianças crescem - todos os anos - para quem não saiba, está comprovado que as crianças crescem e as cadeiras de rodas não, sendo assim porque não se ouvem orlas de gente, incluindo jornalistas, a falarem sobre este assunto ?!. 

Do que digo, digo-o com conhecimento de causa, os miúdos amontoam-se na cadeira de rodas até que não caibam mais, até que consigam outra, porque existem outras prioridades, entre as quais tratamentos elevados, que os pais pagam como podem, e ninguém se indigna?! Onde andam a porra da TVs?! Para casos que estão dentro da nossa casa? E as salas de multideficiência, em que cada metro quadrado tem um nome pomposo para cada terapia, mas no fundo aquilo é tudo um amontoado de gente dentro daquele espaço, sem qualquer privacidade, para não falar na falta de meios mecânicos auxiliares (e outros) para ajudar no dia-a-dia de quem cuida das crianças, e ninguém se indigna?

Resta saber, se o que fica é um monte de indignados ou de fofoqueiros, porque falar a gente fala, fazer é que é mais complicado.  

A mim parece-me que o faz de conta já deixou de ser apenas do universo infantil, o macaquinho do chinês está em cada canto e o tiroliro anda por aí à solta a fazer das dele.

 

Para que serve a voz

24
Abr24

 

IMG_20240418_084656.jpg

Nestes dias levados entre notícias de guerra e vozes de Abril, recolho-me ao meu silêncio e penso...apenas penso, sem dar voz ao pensamento, porque me sinto estranha entre os iguais, reconheço que a voz temos de a partilhar, num acaso ou por obrigação, mas o pensamento não, continua meu (por enquanto), até que me atreva ou que julgue necessário partilha-lo.

IMG_20240418_084646.jpg

É com surpresa que identifico como dias comuns aqueles em que passo em silêncio, não é com magoa que penso nisto é antes como uma reflexão binária daquilo que fui e do que sou, à espera da transformação plena que há-de vir, lembro-me então do canto da cigarra, tão mal afamada em analogia à formiga, é mais fácil ver o carreiro do que saber quantos anos estão debaixo de terra as cigarras até poderem deitar cá para fora o som da sua voz, que interessa se é num único e derradeiro Verão, o que ficou da história é aquilo que se sabe, que interessa somente aparecer, pode ser em forma de grito, ou em leve surdina engalanada de sorriso. 

IMG_20240418_084642.jpg