Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

9

A vida inteira

09.03.21, Alice Alfazema

1.jpg

 

A minha filha perguntou-me
o que era para a vida inteira
e eu disse-lhe que era para sempre.
 
 

2.jpg

 

 
Naturalmente, menti,
mas também os conceitos de infinito
são diferentes: é que ela perguntou depois
o que era para sempre
e eu não podia falar-lhe em universos
paralelos, em conjunções e disjunções
de espaço e tempo,
nem sequer em morte.
 
 

3.jpg

 

 
A vida inteira é até morrer,
mas eu sabia ser inevitável a questão
seguinte: o que é morrer?
 
Por isso respondi que para sempre
era assim largo, abri muito os braços,
distraí-a com o jogo que ficara a meio.
 
(No fim do jogo todo,
disse-me que amanhã
queria estar comigo para a vida inteira).
 
 

4.jpg

 

 
 
Poema de Ana Luísa Amaral, Silogismos

4 comentários

Comentar post