Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

O silêncio do fogo

18.03.11, Alice Alfazema

 

 

O menino que transportava o fogo levou algum tempo a pensar nas palavras do homem branco, mas, finalmente, parou no meio do caminho, engoliu em seco, olhou-o directa e altivamente nos olhos dele e disse-lhe:

 

- Esse fogo não é meu.

 

- É a mesma coisa, Toti. É o mesmo fogo. É igual ao outro. Poderás iluminar-te da mesma forma e poderás aquecer-te na época das chuvas - respondeu o cientista.

 

- Não, homem branco - disse Toti, secamente. - Não é o mesmo fogo. A chama que eu tinha nas minhas mãos foi acesa pelo meu avô e ele passou-a para o meu pai e o meu pai para mim. Eu já não a poderei passar aos meus filhos.

 

Dito isto, o menino que transportava o fogo olhou sem pestenejar para o cientista e, depois de ver a sua cara espantada, ali, no meio da selva Amazónia, continuou a caminhar lentamente.

 

Tudo ficou em silêncio.

 

O vento parou para que a selva recolhesse o eco das palvras de Toti: "Já não o poderei dar aos meus filhos".

 

 

 

in, O menino que transportava o fogo, Miguel Angel Rodríguez Bajón