Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Dono de si

01.11.10, Alice Alfazema


Um colunista acompanhava um amigo a uma banca de jornais. O amigo cumprimentou amavelmente o ardina, mas recebeu de volta um tratamento rude e grosseiro. Pegando no jornal que tinha sido atirado na sua direcção, o amigo do colunista sorriu polidamente e desejou um bom fim-de-semana ao vendedor. Quando os dois desciam pela rua, o colunista perguntou:
- Ele trata-o sempre assim, deste modo grosseiro?
- Sim, infelizmente, sempre foi assim...
-E você é sempre tão polido e simpático com ele?
- Sim, procuro ser.
- Porque é tão educado, se ele é tão grosseiro consigo?
- Porque não quero que seja ele a decidir como eu devo de agir.



Moral da história: qualquer pessoa é o seu próprio dono e não deve curvar-se diante do vento que sopra, não pode ficar mercê do mau humor, da impaciência e da raiva dos outros. Não são os ambientes que a transformam, mas ela quem transforma os ambientes.

 

 

in, O que podemos aprender com os gansos, Alexandre Rangel

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.