Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

A mulher da mercearia

06.07.13, Alice Alfazema

No bairro abriu uma mercearia, coisa pequena. Com pão quentinho duas vezes por dia. Queijo fresco e legumes da zona. A mulher da mercearia mora no bairro, é nova, magra e nunca dizia bom-dia. Mas o negócio transformou-a. Tornou-se sorridente, até trata alguns clientes por tu, numa intimidade até então desconhecida. Os dias passam. No bairro a calmaria do costume. Passou um mês. A porta fechou. Nada disse aos clientes. Nem um bilhete na porta. Nada. Hoje, a mulher da mercearia passa e nada diz. Voltou a ser sorumbática.

 

 

Alice Alfazema

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.