Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Entre a poesia e a floresta e talvez a primavera

21.03.13, Alice Alfazema

 

Hoje comemora-se o dia da floresta e o dia da poesia, e parece-me que quando eu era criança se comemorava a primavera... 

 

( Pego neste pedaço de planeta - aqui talvez desde o princípio do mundo.)


Chamo-lhe pedra

e apalpo-a

para ter a certeza de que existo

- ouvir nos dedos o coração do frio.


Pedra.


E porque não pierre?

Talvez mais exacta, 

mais aquém de ser nuvem.


Pierre


Ou stone (palavra com menos pele).

E porque não sten? ( do país da neve rangida).

Ou pierra 

Ou outra palavra qualquer inventada.


Stona

Pierta

Strena

Pirra


Voz triturada,

rasgar de dentes,

guincho da primeira boca,

cabeça de saúrio esmagada,

som de tambor forrado de pele humana

tocado a pontapé,

imagem arremessada dos olhos do Sol,

lágrima dura, 

soco de mãos sem dedos,

vento sólido,

caveira com ideias nos olhos,

bicho imperfeito

pedra, em suma,

embora a palavra pedra me pareça um som demasiado voado,

com leveza de asas,

às vezes até me soa a bruma.


Mas habituei-me a dizê-la

como quem vê de longe

a morte ainda embalsamada viva

de uma estrela.



José Gomes Ferreira, Poesia VI




Alice Alfazema