Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Uma pergunta por dia: O que é um emprego digno?

27.10.12, Alice Alfazema

Há uns dias atrás, numa reportagem televisiva um senhor que estava desempregado dizia que queria um emprego, mas que fosse, um emprego digno. Pus-me a pensar, será que o meu emprego é digno? Talvez não, pois recebo tão pouco, sendo que, é um trabalho em permanente construção, nunca falado nos canais televisivos, jornais ou revistas.


Uma pergunta por dia até ao final do ano, quem quiser responder esteja à vontade.




Alice Alfazema

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    P

    30.10.12

    1º Acho que se escreve descalço e não descalso.

    2º Em 2007 criei uma loja de segunda mão. Ofereci ALOJAMENTO, ALIMENTAÇÃO e 33% sobre os lucros como único salário. Entre 2007 e 2009 publiquei anúncios com esta proposta no OLX . Em 2 anos recebi QUATORZE respostas/inquirições que resultaram em ZERO contratos. Em Fevereiro de 2009 publiquei o mesmo anúncio num site estrangeiro (justlanded) Numa SEMANA recebi DEZ respostas de vários países mas só lembro os da Bélgica, da Holanda, de Inglaterra e da Polónia. No dia 1 de Março de 2009 tinha à porta um jovem polaco que veio à boleia do seu país. Desistiu em Setembro de 2009 mas isso não vem ao caso agora. Em 2011 voltei a publicar a mesma proposta em sites portugueses e no referido Justlanded. Mas desta vez propunha também a alteração da loja para artesanato ou produtos biológicos. O anúncio num dos sites portugueses foi visto por 200 e tal pessoas. Recebi uma proposta de um nigeriano, outra de uma rapariga propondo artesanato à consignação e outra de alguém propondo transformar o espaço em agência funerária. Não sei se era a sério se humor. Fiz a proposta no facebook também. Um rapaz inquiriu e uma rapariga propõs-se visitar o espaço. Mais tarde enviou um email dizendo que por ser no Algarve não estava interessada pois era muito longe de Lisboa. Desta feita do estrangeiro recebi ZERO propostas (presumo que a ideia de vir para Portugal tenha perdido atractivo). Mantenho o anúncio há vários meses sem uma única proposta. Apesar de ter lido esta notícia http://jpn.c2com.up.pt/2010/12/23/crise_lojas_de_segunda_mao_sao_uma_solucao.html
    Suspeito que uma loja de segunda mão seja actividade de alta indignidade. Ou então querem um ordenado garantido. Primeiro não tenho com que o garantir e mesmo que tivesse só estaria interessado em alguém que queira ARRISCAR. Mas presumo que estejam apenas interessados num salário independentemente de a loja gerar receitas. E é assim, tenho um espaço de CENTO E CINQUENTA E SEIS m2 pronto a funcionar, na região do país com a mais alta taxa de desemprego. Vale que usamos o espaço quando faz muito calor ou muito frio pois nós moramos por cima e na loja está sempre menos calor ou menos frio do que em nossa casa e tem cozinha, quarto e WC. 3 por sinal. . Ou seja, é um óptimo loft de Verão e de Inverno. Enfim, não terá a dignidade requerida pelos portugueses mas prontos !!!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.