Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Passeio em família

25
Ago21

IMG_20210808_141822.jpg

IMG_20210808_141827.jpg

IMG_20210808_142210.jpg

IMG_20210808_141643.jpg

IMG_20210808_141308.jpg

IMG_20210808_141530.jpg

Você não precisa ser bom.
Você não precisa andar de joelhos, arrependido,
milhares de milhas pelo deserto.
Você precisa apenas permitir ao animal suave do seu corpo
amar o que ama.
Fale-me sobre desespero, os seus, e eu falarei a você os meus.
Enquanto isso a vida segue.
Enquanto isso o sol e os cristais límpidos da chuva
atravessam as paisagens, movendo-se
sobre pradarias e árvores profundas,
montanhas e rios.
Enquanto isso, alto no ar azul claro, os gansos selvagens
voltam para casa outra vez.
Quem quer que você seja, não importa quão solitário,
o mundo se oferece à sua imaginação,
chama você como aos gansos selvagens, bruto e excitante –
de novo e sempre anunciando o seu lugar
na família das coisas.

 

 

Poema de Mary Oliver, tradução Yasmin Nigri

 

Refugiados

Shamsia Hassani

24
Ago21

camaleão.jpg

As I remember I hid my identity to avoid any mistreatment by others for my identity and nationality. To avoid harm or at least reduce the amount of it.
When we were immigrants in Iran, we dressed like Iranians and spoke in their accent. We were very happy that no one understood that we were Afghans, but we had a strange feeling in our hearts, even though we had not sinned, we were still scared. Whenever we found ourselves in the same colors as the crowd around us, we felt safe, just like Chameleons who feel safe by changing their color to the color of their environment (surroundings).
Later when we returned to Afghanistan, we were happy that the war was over and we could enjoy living in our own country without any fear of our identity. But after a while, war started again and people rushed to other countries. Once again, each of us took the color of different environments to make a good life for ourselves.
 
Texto e ilustração Shamsia Hassani

 

Perseidas - 2021

Chuva de estrelas!

23
Ago21

perseidas2021PedroRego.jpg

Fotografia de Pedro Rego

 

A chuva de meteoros das Perseidas deste ano ocorreu entre 17 de julho e 24 de agosto,  sendo que o seu pico se deu a 12 de agosto entre as 20h e as 23h com 110 meteoros por hora, as Perseidas ocorrem durante o Verão no hemisfério norte, dando ao céu aquele sentido de festa, que dá para pensar se haverá bailarico lá em cima? Dançará Júpiter na constelação de Aquário, com Saturno a seu lado na constelação de Capricórnio? Cá em baixo deixo-vos com as palavras do José:

Do céu caíam lágrimas                             

Na noite estrelada

Os teus olhos eram rosas perfumadas                                 

Na noite iluminada, tu eras a estrela

Nos teus rubros lábios rolavam cerejas

Atraentes, deliciosas, desejadas

Quanto mais as beijava             

Mais crescia o desejo

Que encantadores beijos!

Na frescura da ardente boca                                                         

A saciarem o fogo da Lua-cheia

Mas, quanto mais te beijava     

Com mais fome ficava

Nada conseguia apagar aquele calor                         ✴

Nem a noite fria, nem a água que, no rio, corria

Foi a noite mais curta!

Quando o sol nasceu                            

Ainda da tua boca

Água doce corria

Por que razão é que não há

Chuva de estrelas, todos os dias?                       

Para dormirmos nos beijos um do outro

 Até o sol nos acordar

Para começarmos, de novo, a namorar

E passar o dia no doce teu olhar                   ✴   

Até a lua nos voltar a abraçar.

                             

O poema é do José Silva Costa