Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Rastros

30.09.20, Alice Alfazema

andando.jpg

Ilustração  Andrea Calisi

 

Rio

                manso

                              rio manso

                                               vai tranquilo

                                                    rio manso, vai descendo

                                          vai levando ao ribeirinho
                            água limpa e peixe bom
             vai juntando olhos d’água
brilhando sob o ingazeiro
remanseando nas curvas
vai cansando, rio manso
            banhando a indiferença
                                     tragando as nossas sobras
                                                nosso esgoto
                                                                nosso lixo
                                                        vai cansado
                                               Vai minguando
                                                 rio manso
                                         olhos d’água
                                       soterrados
                                vai virando
                 um rego d’água
     uma tripinha
uma coisica
de nada
                    rio manso.
                                   Rio manso, vingador
                                           a cachoeira de joelho
                                                                          pede a Tupã e ao nosso senhor
                                                                  chuva na cabeceira
                                                                             chuva que nunca pare
                                                                                      chovendo o mês inteiro
                                                                                                     dando largueza ao rio.
                                                                  Rio monstro, vai crescendo arrastando
                                                      paus e pontes e barreiras, rio monstro
          inundando casas, arrasando vilas, afogando gente e bicho
             um cachorro lerdo, um vizinho displicente, a namorada, um parente
                               deixou rastro do inferno, lama, ratos e fedor, rio Estige, rio monstro
                                            devastou meu gabinete, papéis, carimbos, promessas e assinaturas
                        meu ganho, minha usura, o que havia de melhor, regalias, sinecuras
        farra e fama, minha arma e minha cama, minha crença e a alma que
eu não tinha, como pode, rio manso, foi vingança, rio monstro?
 
 
 
Poema de José Vecchi de Carvalho
 
 
 
 

O ponto comum

27.09.20, Alice Alfazema

Zita catita

Já não sei há quanto tempo recortei estas meninas de papel e depois as pintei. No fundo elas são uma representação daquilo que podemos ser, ou da forma como vemos o mundo e nos apresentamos perante ele. Reparei agora que existe um ponto comum entre todas - o sorriso. Nunca desenhei nenhuma cara triste. E é verdade, que quando me apresento perante um problema, ou algo menos bom é no sorriso que me refugio, não me sei ver sem ele, e mesmo quando estou furiosa, num repente vejo-me com ele outra vez. Herança minha, maneira de ser geneticamente partilhada, jeito manso de resolver coisas da vida.

 

 

 

Qual o local de eleição deste ano?

26.09.20, Alice Alfazema

à janela.jpg

 

Ilustração Irene Fioretti

 

Este ano temos estado demasiado atentos aos outros e passamos muito tempo à janela. Tem sido um ano de profunda reflexão sobre os valores que queremos e dos que devemos abandonar. Não é para mim um ano desperdiçado, como tenho ouvido dizer por aí. É um patamar de mudança, se fosse um jogo, chamaríamos de - mudança de nível. Ou caímos, ou subimos, a diferença é que aqui não há como ficar no mesmo nível. Sabemos que esta janela temporal é comum e global, sabemos também que apesar de ser comum e global, ela é diferente em cada país, e em cada pedaço do globo, e não só por essa forma, ela também difere pelo bairro em que vivemos ou da cidade, pela forma como nos alimentamos, pela profissão que temos, pelo poder económico, pela idade e até o género. A imagem de que o vírus atinge todos da mesma forma não é verdadeira. Há quem tenha de se expor como um peão, outros como um bispo ou um rei. E nisto  passámos a Primavera à janela, tanto na real como na janela virtual que nos permite estarmos aqui a escrever e a lermos uns e outros. A janela é um ponto de partida para o conhecimento, um ponto de vigia, de acesso, e ainda de encontro paralelo neste mundo global de desigualdades crescentes e incrivelmente ignoradas, mesmo debaixo do nosso nariz, perdão - janela. Deste modo a nossa rua (que é onde estão as nossas janelas), é alargada em proporção da população existente globalmente, e é relegada em detrimento de outros valores que continuam a sobrepor-se à sua existência, valores esses que contribuem directamente e indirectamente para aquilo que estamos a viver. Numa doença não se verificam apenas os sinais e os sintomas, muitas das vezes é nas causas que está a solução. Ou então a velha máxima: Onde? Como? Quando? Porquê?

 

Pág. 1/4