Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Ultramar, Angola, refugiados, Portugal, racismo, educação, memórias, lembranças, infância...

Vamos aprender a ler nas entrelinhas

31.07.20, Alice Alfazema

116273822_291919561913293_6663155440466293528_n.jp

 

Tirei estas fotografias para vos mostrar como era estudar em Angola nos anos 70 do século passado, muitos de vocês partilharão destas memórias, que até nem são minhas, são do meu marido. Estas páginas são de um livro da 1º classe, onde lhes era ensinado a ler as frases básicas do seu quotidiano.

 

116350128_849153088824810_82715127187233228_n.jpg

 

Nós que por estes dias temos falado tanto em existir racismo em Portugal, esquecemos as feridas que nos foram impostas. A mim calhou-me um pai vindo do Ultramar, obrigado a ir para uma guerra aos 21 anos, provavelmente sem saber o que fazia ali, dizem os outros que nunca mais foi o mesmo desde que voltou, e eu que nunca o entendi, talvez  por ele nunca falar nada sobre o assunto. Agora à distância dos anos, entendo que há feridas que nunca saram, por mais que o tempo passe e por mais que a gente finja que não existem. 

 

116369821_775999739877086_996419756930579358_n.jpg

 

No fundo todos fomos vítimas, uns no passado, outros no futuro, bastantes no presente. O meu sogro viveu em Angola durante dezoito anos, lá casou, com a noiva vinda de Portugal. E juntos estiveram por lá mais de uma década, dois filhos, casa feita, vida tranquila até a guerra chegar a eles. Enquanto isso outros andavam pelo mato de espingarda às costas... escrevendo cartas às mães e às namoradas. Vidas paralelas e opostas. 

 

 

116371191_585061012381950_8024044958539956045_n.jp

 

Esta é a História que ninguém quer contar. Cheia de dor e sofrimento. Incertezas e juízos de valor. Sempre pensei que podia ter um irmão ou uma irmã lá para aquelas bandas. Impossível saber. Brinco, mas a sério, e digo o mesmo ao meu marido. Uma vez vi uma reportagem que chamava a estas crianças: "filhos do vento". É sem dúvida verdade, o vento a gente sente, sabe que existe, mas não o encontramos aos nossos olhos.

 

116375720_606665770286227_5294966726862089281_n.jp

 

Os retornados, o meu marido nunca foi um retornado, ele era um refugiado. Tal como ele milhares de crianças que aí nasceram. No entanto, devido à sua cor de pele ninguém o manda para a sua terra. Já eu que sou de pele escura, sempre fui considerada retornada, que ironia do destino. O preconceito tal como o vento, a gente sente, a gente sabe que existe, mas por vezes não reconhece de onde vem. 

 

116382094_2923013981158251_2517003388039726815_n.j

 

Não podemos apagar o passado, no entanto é nosso dever transformar o futuro, quebrar a História. Saber que o capim é erva. Que branco é igual a preto. Ultrapassar as ideias feitas de que tivemos um passado grandioso. Descobrir que o nosso passado recente ainda está bem presente no nosso quotidiano, por mais que digam que não. 

 

116430131_630010091256424_1096193236475021195_n.jp

 

E o que eu gosto desta mistura de cores. Dos linguajares doces e dengosos. Daqueles cantos mornos. Daquelas peles de seda e daqueles cabelos fofinhos. Daqueles sorrisos fascinantes. Duma muamba de galinha. É para mim fascinante ver que na diversidade temos tanto a ganhar. Aflige-me que assim não seja na realidade. 

 

116430298_232622861141245_4091368247817169409_n.jp

 

Fico a imaginar quanto ficou por dizer, do que nunca dissemos uns aos outros. Daquilo que nunca nos atrevemos a descrever, sentimentos, raivas, amores, esperanças. Li algures que devemos matar a esperança, pois é ela que nos impede de progredir. Talvez seja verdade, muitas vezes ficamos presos a ela e não agimos, perdemos, foi tanto que nem demos por isso, ou deixamos de ligar, para não ficarmos magoados, outros por medo, quem sabe se por vergonha. 

 

 

116396028_885306338625514_7139377975200341434_n.jp

 

No fundo somos todos alunos a vida inteira. Nesse caderno que é a vida podemos escrever o que quisermos, seja o texto inventado ou não. Mas esse caderno envelhece, e as suas folhas amarelam quando são desgastadas pelo tempo e pelas ironias da vida. Não sei o que valha mais: se um ditado escrito, se uma redacção livre.  No meu caderno gostaria de ter os dois.

 

116434220_2388143521486483_8321112051446606265_n.j

 

Também somos sempre meninos. Há uma chama da infância que mora em nós, escondida por vergonha do adulto. Desse adulto que não se liberta dos preconceitos, que vive amarrado à moda quotidiana do seu tempo. Que teima em carregar o sofrimento como destino universal. Que alimenta a estupidez de uma verdade única. Que quer descobrir novos mundos, mas não cuida do seu. 

 

 

Caldeirada de pata-roxa

30.07.20, Alice Alfazema

 

116800109_284141349510369_1573747514690349675_n.jp

 

 

Ponho o tacho grande em lume brando e rego com azeite o seu fundo. Lá dentro coloco uma folha de louro, entretanto vou cortando em rodelas finas uma cebola grande, às vezes ponho duas, atiro-as para dentro do tacho, enquanto fico a ver os salpicos do azeite que se junta à cebola, começa o processo de refogar. Vou então cortar o pimento verde em tiras finas, enquanto o limpo de sementes a cebola torna-se loura, jogo lá para dentro o pimento. O cheiro intensifica-se. Passo aos tomates, uns quatro pelo menos, bem maduros, para dar cor ao prato e sabor ao mar. Lavo-os e tiro-lhes a rama verde, não os descasco, corto-os em rodelas não muito finas, que vou colocando por cima da cebola e do pimento, tempero com sal e junto-lhes uns dentes de alho em fatias fininhas, talvez quatro, pimenta moída na hora. O lume brando vai fazendo das suas e, mistura devagar os sabores e as cores. Vou buscar as batatas, são olho de perdiz, de casca fina, descasco-as e corto-as em rodelas de forma a cozinharem rapidamente. Coloco-as por cima dos tomates, ajeito-as para que caiba também o peixe. Escolhi pata-roxa,  retiro  o peixe da água, que serviu para retirar o excesso de sangue, e faço a última camada dentro do tacho, ajeito os fígados do peixe, iguaria única que fica maravilhosa em cima de uma fatia de pão cozido a lenha. Rectifico os temperos e tapo o tacho. Olho para o relógio e aguardo que o milagre aconteça. Lá dentro, devagarinho, os sabores do Mar se misturam com os da Terra. Antes de servir tenho de lhes dar um abanão.

 

 

"Justa é a forma do nosso corpo"

28.07.20, Alice Alfazema

tempodepraia.jpg

 

Ilustração Jessica Watts

 

 

Os dias de verão vastos como um reino
Cintilantes de areia e maré lisa
Os quartos apuram seu fresco de penumbra
Irmão do lírio e da concha é nosso corpo

Tempo é de repouso e festa
O instante é completo como um fruto
Irmão do universo é nosso corpo

O destino torna-se próximo e legível
Enquanto no terraço fitamos o alto enigma familiar dos astros
Que em sua imóvel mobilidade nos conduzem

Como se em tudo aflorasse eternidade

Justa é a forma do nosso corpo

 



Sophia de Mello Breyner Andresen, in Obra Poética

 

Inveja

25.07.20, Alice Alfazema

mar.jpg

Ilustração Amy Grimes

 

Eu tenho sempre inveja das gaivotas que fazem voos rasantes às ondas e refrescam as suas penas naquela água espumosa. Não é inveja boa nem inveja má. É inveja pura! Eu queria poder fazer aquilo e divertir-me como elas. E poder ficar a boiar nas correntes marinhas até me apetecer, sem relógio, sem hora para dormir nem acordar. Chegar e partir sem bagagem. Desapego total.

 

As bolas e as riscas

24.07.20, Alice Alfazema

Estive a arrumar uma estante e fico sempre surpreendida com o lixo que acumulo. Nestes últimos tempos tenho conseguido livrar-me de bastantes coisas, o truque é fazer aos poucos, e deitar fora sem pensar, mais ou menos como quando esprememos uma borbulha, dói, mas tem de ser. O pior é que eu dantes nem acumulava nada, na Primavera fazia uma razia, agora é isto, mas não pode ser. Para além disso não tenho comprado coisas inúteis. Apenas o indispensável. Há meses que não coloco brincos, nem perfume. E são coisas das quais gosto, mas parece-me demasiado: brincos e máscara. Máscara e perfume. Não dispenso no entanto os cremes: mãos, rosto, corpo. Isso faz-me sentir feliz. Pele seca é pele nua. 

 

 

jarro às bolinhas.jpg

 

 

Esta semana foi diversificada, houve trovoada, chuva, imenso calor, e agora o vento uiva na minha janela. A normalidade dos dias é feita com o acompanhamento das notícias sobre a pandemia, todos os dias se revelam os números dos mortos pela COVID-19, às vezes até me dá a sensação que estão a dar um sorteio, e fico a pensar: poderiam acrescentar os que morrem de coração, de problemas respiratórios devido à poluição, de cancro, de fome, de conflitos armados...enfim colocavam uma lista de todos os tipos de mortes para podermos comparar e através dessa leitura de dados poderíamos criar estratégias para diminuí-las, ou quem sabe erradicá-las. É só uma ideia. 

 

 

jarro às riscas.jpg

 

Parece-me que este nosso mundo anda a precisar de uma grande arrumação, isto de varrer o lixo para debaixo do tapete já deu o que tinha a dar. Amanhã tenho uma montanha de roupa por passar. A quem é que interessa isso? A mim, só e simplesmente a mim. É tal e qual o mal do mundo, cada um preocupa-se com o seu. 

 

 

Ilustrações de  Elena Vavilina

 

Pág. 1/3