Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Um punhado de terra

24.05.20, Alice Alfazema

punhado.jpg

 

Tenho um punhado de terra já exausta, cultivei tantas coisas nela e durante tanto tempo que anulei por completo a sua reprodução, fartei-me de a regar, mas a terra era sempre a mesma,  as culturas não nasciam, ou então cresciam raquíticas e sem sabor. Foi longo o período em que estive em busca de encontrar as soluções para que tudo aquilo tivesse um final fim feliz, culpava a terra, as sementes, a água, o Sol, o vento, a chuva, o frio. Nem me lembrava que a agricultora era eu, as escolhas eram as minhas, o tempo era o meu. Um dia fartei-me daquela terra e olhei à minha volta, havia tanta terra bravia por descobrir. Montanhas, vales, planícies. Porque continuava eu ali a tentar obter algo quando o que via não me levava a nada? 

 

dar e receber.jpg

 

Um punhado de pó,

um punhado de terra,

um punhado de vida,

por cada um - três actos.

 

Em cada acto uma verdade,

de trás para a frente,

em linha,

a coberto e a descoberto.

 

Um mundo por inventar,

para descobrir, 

ousar,

um punhado de tudo.

 

 

Ilustrações são de Hannah Lock

Ando com ele a toda a hora

23.05.20, Alice Alfazema

papoila.JPG

Ilustração Natasha Chetkov

 

 

Há metafísica bastante em não pensar em nada.

 

O que penso eu do Mundo?

Sei lá o que penso do Mundo!

Se eu adoecesse pensaria nisso.

 

 

planta.jpg

Ilustração Sara Sánchez

 

 

Que ideia tenho eu das coisas?

Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?

Que tenho eu meditado sobre Deus e a alma

E sobre a criação do Mundo?

Não sei. Para mim pensar nisso é fechar os olhos

E não pensar. É correr as cortinas

Da minha janela (mas ela não tem cortinas).

 

janela.jpg

Ilustração Vrigit Smith

 

 

O mistério das coisas? Sei lá o que é mistério!

O único mistério é haver quem pense no mistério.

Quem está ao sol e fecha os olhos,

Começa a não saber o que é o Sol

E a pensar muitas coisas cheias de calor.

Mas abre os olhos e vê o Sol,

E já não pode pensar em nada,

Porque a luz do Sol vale mais que os pensamentos

De todos os filósofos e de todos os poetas.

A luz do Sol não sabe o que faz

E por isso não erra e é comum e boa.

 

 

Metafísica? Que metafísica têm aquelas árvores

A de serem verdes e copadas e de terem ramos

E a de dar fruto na sua hora, o que não nos faz pensar,

A nós, que não sabemos dar por elas.

Mas que melhor metafísica que a delas,

Que é a de não saber para que vivem

Nem saber que o não sabem?

 

 

«Constituição íntima das coisas»...

«Sentido íntimo do Universo»...

Tudo isto é falso, tudo isto não quer dizer nada.

É incrível que se possa pensar em coisas dessas.

É como pensar em razões e fins

Quando o começo da manhã está raiando, e pelos lados das árvores

Um vago ouro lustroso vai perdendo a escuridão.

 

 

Pensar no sentido íntimo das coisas

É acrescentado, como pensar na saúde

Ou levar um copo à água das fontes.

 

O único sentido íntimo das coisas

É elas não terem sentido íntimo nenhum.

 

Não acredito em Deus porque nunca o vi.

Se ele quisesse que eu acreditasse nele,

Sem dúvida que viria falar comigo

E entraria pela minha porta dentro

Dizendo-me, Aqui estou!

 

(Isto é talvez ridículo aos ouvidos

De quem, por não saber o que é olhar para as coisas,

Não compreende quem fala delas

Com o modo de falar que reparar para elas ensina.)

 

Mas se Deus é as flores e as árvores

E os montes e sol e o luar,

Então acredito nele,

Então acredito nele a toda a hora,

E a minha vida é toda uma oração e uma missa,

E uma comunhão com os olhos e pelos ouvidos.

 

Mas se Deus é as árvores e as flores

E os montes e o luar e o sol,

Para que lhe chamo eu Deus?

Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar;

Porque, se ele se fez, para eu o ver,

Sol e luar e flores e árvores e montes,

Se ele me aparece como sendo árvores e montes

E luar e sol e flores,

É que ele quer que eu o conheça

Como árvores e montes e flores e luar e sol.

 

E por isso eu obedeço-lhe,

(Que mais sei eu de Deus que Deus de si próprio?),

Obedeço-lhe a viver, espontaneamente,

Como quem abre os olhos e vê,

E chamo-lhe luar e sol e flores e árvores e montes,

E amo-o sem pensar nele,

E penso-o vendo e ouvindo,

E ando com ele a toda a hora.

 

abraço à terra.JPG

Ilustração Asyle

 

 
 
 
 

O Guardador de Rebanhos, in Poemas de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. 

  
 
 
 
 
 

Dia Internacional da Biodiversidade

Pradarias marinhas do Sado

22.05.20, Alice Alfazema

O mar e os rios, não são apenas manchas de água, neles se encontram uma diversidade enorme de vida, muita da qual ainda desconhecemos, é importante preservarmos agora para o futuro. Será que as pradarias marinhas do Sado vão continuar assim no futuro? O que tem sido feito pelos organismos Locais e Centrais para que assim continue? O Ministério do Ambiente prefere contentores de lixo no Porto de Setúbal a manter esta biodiversidade? As enormes dragagens no rio Sado interessam e beneficiam que grupos económicos? Qual a melhor riqueza, a que promove a diversidade e que tem futuro, ou aquela que destrói e serve apenas alguns e ainda se limita no tempo?

 

 

As pradarias de ervas marinhas criam um habitat estruturante que é fonte de alimento, refúgio e berçário para muitos outros organismos marinhos. Assim, dentro das pradarias a abundância e diversidade da fauna é maior que nas zonas arenosas adjacentes.

Alguns animais, como o choco, as raias, e as lesmas-do-mar usam as pradarias como maternidade e depositam aí os seus ovos. Há outros animais que se alimentam diretamente das plantas por herbivoria: como os ouriços-do-mar, peixes (ex. salemas) e pequenos moluscos.

São ainda essenciais para a conservação de espécies carismáticas e ameaçadas, como os cavalos-marinhos, para além suportarem a pesca local.

 

As fotografias são de Ocean Alive

Chá de violetas (6)

Miss X

21.05.20, Alice Alfazema

chá de violetas.jpg

 

O dia hoje esteve solarengo e fui ver o Rio, há muito tempo que não sentia o cheiro do Sado, já tinha saudades do seu azul, daquele azul luminoso que vibra aos nossos olhos, às vezes em sintonia com o azul claro do céu, que faz com que quando olhamos para ambos aquela harmonia se estenda até nós. Quem vem hoje aqui beber um chá de violetas, é alguém que tal como eu gosta muito do mar, às vezes quer ser uma sereia louca, mas quando está em terra é uma devoradora de livros, tem um sentido de humor que muito aprecio, e nisto tudo, quase que somamos uma década de amizade aqui neste bairro, é incrível como o tempo passa tão rápido, assim de repente parece que foi ontem, e quando é assim é porque é bom. Olá Miss X:

 

Aceitar o convite da Alice Alfazema para um Chá de Violetas é muito mais que uma mera visita a este seu refúgio. É o assinalar de uma amizade blogosférica de anos e para este momento especial escrevi o que a Alice mais gosta que eu escreva: uma banda desenhada.

 

ginjolasmissx1.png

ginjolasmissx.png

Obrigada Miss X, por teres vindo até aqui, gostei muito do presente que me trouxeste, e o Ginjas está muito orgulhoso de ser um espião reconhecido, ele só está intrigado com o facto de saberes os nomes de código que a dona lhe chama.

 

 

Vizinha: 

Livrologia

Sereia Louca