Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Março mês da Mulher: Mulheres empregadas domésticas

15.03.14, Alice Alfazema

 

Às vezes oiço conversas interessantes sobre empregadas domésticas, deixo aqui alguns diálogos. 

 

Eu trabalho em casa de uma senhora, faço o comer e arrumo a casa e o jardim. No outro dia tive de limpar a caca que estava no sapato do miúdo, vê lá que esperaram pela segunda-feira para eu limpar aquela porcaria.

 

Eu nas limpezas grandes tenho de lavar o telhado, eles têm um escadote grande e eu subo para cima do telhado e lavo-o à mangueirada. 

 

Não entendo por que é que pagas à empregada à hora. Saí-te mais caro, tenho uns amigos que têm um miúdo pequeno e para não pagarem um balúrdio de creche contrataram uma empregada doméstica. Pagam-lhe o ordenado mínimo, ela fica com o miúdo e nos tempos mortos, sim porque há sempre tempos mortos, faz-lhes o jantar, sobremesas, trata de tudo que tenha a ver com a limpeza da casa, e não penses que fica por aqui, até lhes deixa já feito o comer para o fim de semana. Fixe não?

 

Alice Alfazema

 

Ideologia

15.03.14, Alice Alfazema

 

Uma ideologia política, em democracia, vem apenas de uma mente ou também é produzida por outras consciências?

 

Conformei-me com a orientação firme de voto, que interpretei como sendo, na verdade, uma obrigatoriedade. Diz Teresa Caeiro, sobre a votação no parlamento na matéria da co-adpoção por casais do mesmo sexo. Que pensarão as crianças que dependem desta orientação? É que esta orientação, pode ser a orientação de outras vidas que neste momento por certo se sentem desorientadas.

 

Alice Alfazema