Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Viva 2012 com charme e otimismo

31.12.11 | Alice Alfazema


Lembre-se que não é a cor das cuecas que faz a diferença, é a nossa atitude. O otimismo é a semente ideal para recomeçar em grande. Os pequenos nadas são a diferença entre nós e os outros. Esperar que façam por nós aquilo que queremos da vida é inútil, e as mudanças só acontecem quando há querer, e querer significa - poder. O que queremos é importante só para nós, pois existem quereres diferentes e necessidades diversas. Pensar é um ato endeusado pense e torne-se Deus. O lado bom da vida, não é a vida dos outros, mas a nossa, reclamações são antónimos de ações. Observe e divirta-se, o mundo é fantástico para quem aproveita as diferenças, brinde e agradeça, a vida lhe retribuirá - acredite. Ponha de lado as lamurias e dance com a alegria, olhe para a história e veja que em muitas outras épocas, já outros obstáculos foram ultrapassados, utilize a cidadania e focalize a energia no lado positivo - verá que é menos desgastante, não se menospreze - todos somos fortes e fracos, vença os seus medos e tornar-se-á mais forte.

 

 

 

 

Bom 2012

 

Deixo-vos este espumante, para que quem aqui passe possa brindar a um ano maravilhoso - de muitas mudanças e alegrias.

Saúde  e sonhos concretizados para todos vós que aqui me visitam e que me fazem companhia com os vossos comentários, para aqueles a quem visito e para as mulheres com charme deixo um brinde especial - Saúde!!!

 

 

 

"Produzido segundo o método clássico e resultado de uma maturação tranquila nas caves da Borges, transmite a harmonia entre a delicadeza e o poder. O Fita Azul Woman distingue-se pela sua exuberância aromática, integrada numa doçura refrescante. É a proposta ideal para as mulheres com charme."

 

Ver mais em: Vinhos Borges

 

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Coentros

29.12.11 | Alice Alfazema

 

 

As pequenas preciosidades estão onde menos se espera, para onde não se olha, naquilo que parece não ter valor. Neste recanto do jardim, onde o terreno parece baldio, mas onde os coentros nascem, para dar sabor e energia, à comida que se quer deliciosa. Juntos convivem com os trevos e a hortelã, e talvez um raminho de salsa...harmonia.

 

 

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Raio de Sol

27.12.11 | Alice Alfazema

 

 

 

Gostava tanto de mexer na vida,

De ser quem sou - mas de poder tocar-lhe...

E não há forma: cada vez perdida

Mas a destreza de saber pegar-lhe.

 

 

Mário de Sá-Carneiro

 

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Filhoses apanhadas (e comidas) por aí...

25.12.11 | Alice Alfazema

 

 

 

 

Natal é tempo de partilha e de reflexão, de poder de novo  mudar, de tentar de novo, tal como a Natureza o faz.

 

Olhar para uma mesa de Natal é ver o carinho e comer o amor daqueles que tiveram o cuidado de preparar iguarias para partilhar. Um doce não significa apenas farinha e ovos misturados com outros ingredientes. Ele é toda a energia de quem o fez, os seus pensamentos, a sua amizade, alegria; é como um sol enfeitado com açúcar!

 

Deixo-vos aqui estas filhoses, que me foram oferecidas e que contém tudo aquilo que aprecio e ao qual dou valor - amizade, carinho, lembrança, mimo. Este Natal recebi muito mimo. Para todos aqueles que me ofereceram isso o meu imenso obrigada, sejam  eles amigos reais ou virtuais é de pequenas lembranças que gosto e com as quais me identifico.

 

 

Que a vida vos sorria e a Natureza vos dê exemplos de renovação, nunca é tarde para recomeçar, mesmo que pareça inutil. É aí que mora a força e a auto-estima.

 

 

 

 

Abraço e Feliz Natal

 

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Feliz Natal

20.12.11 | Alice Alfazema

 

 

 

"A vida é como um cobertor demasiado pequeno.  Puxa-se para cima e fica-se com os pés de fora, sacudimo-lo para baixo e ficamos a tremer de frio nos ombros; mas as pessoas bem dispostas conseguem encolher os joelhos e passar uma noite muito confortável!"

 

 

Marion Howard

 

 

 

 

Feliz Natal para todos os que aqui  passaram, passam, comentam e que voltam.

 

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Produtos de Portugal (23)

16.12.11 | Alice Alfazema

 

 

 

Com mais de 125 anos de história, a Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco de V. Melim, Lda é uma referência na produção de mel-de-cana, um produto que cruza a sua identidade com a própria identidade da Ilha da Madeira.

 

Logo depois do descobrimento da ilha, em 1419, este espaço afirmou-se entre os produtores de cana-de-açúcar, actividade que se tornou basilar no desenvolvimento e prosperidade da Madeira. Desde então e até hoje, o brasão da cidade do Funchal guarda como armas os cinco pães de açúcar.

 

A produção de açúcar, mel-de-cana e aguardente atingiu o seu expoente máximo nos séculos XV e XVI, pois ainda que os 33 engenhos fossem de pequenas dimensões, muitos estrangeiros afirmavam que o açúcar da Madeira era o melhor do mundo.

 

No século XVIII, depois de um período menos bom, apenas laborava o engenho da Ribeira dos Socorridos. Importante no revitalizar deste produto, este engenho foi o “pai” da Fábrica Mel-de-Cana Ribeiro Sêco, cujos registos históricos unem por relação familiar.

 

Em 1883, nasce o engenho do Ribeiro Sêco, pelas mãos de Aluísio César Bettencourt, mas é na direcção de seu filho, Luís Vogado Bettencourt que o nome desta fábrica se confunde com o próprio mel.

 

Ver mais aqui: Fábrica do Ribeiro Sêco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Pág. 1/4