Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Ao meu Filho

21.11.10, Alice Alfazema

Meu filho

 

Apareceste na minha vida,

Eu queria ter-te.

Sentia-me feliz, insegura, afectuosa, apaixonada.

Quantas  emoções!

Olhava para ti...

E sorria.

Agora cresceste.

Agrada-me o que vejo em ti.

Revejo-me em ti, nas tuas ideias,

Na tua maturidade, nos teus projectos...

Obrigada, filho, por seres como és.

E por  teres aparecido na minha vida.

Eu queria ter-te.

 

Rosa Serrate 

 

 

 

 

Poema Lakota

16.11.10, Alice Alfazema

 

Respeitei a juventude

    o mundo todo e a vida,

De nada sentia falta  a não ser

    da paz d’espírito

E, contudo, eu mudei, apesar das minhas crenças,

    nas mentiras da Iktumi acreditei cegamente.

Parecia que da verdade, era ela a detentora,

    e, solene, prometeu fazer-me feliz p’ra sempre.

A Wakantanka riquezas ela me fez implorar,

    afirmando que poder eu viria a ter;

 

Foi-me oferecida a pobreza, p’rà

    minha força interior achar.

Pedi fama,

    para os outros me poderem conhecer;

Foi-me dado o anonimato,

    p´ra saber conhecer-me.

Pedi alguém a quem amar p’ra

    jamais ficar sozinho;

Foi-me dada a vida de um eremita, p’ra

    aprender a aceitar-me como sou.

Pedi poder, p’ra

    coisas realizar;

Foi-me dada a hesitação, p’ra

    a obedecer aprender.

Pedi saúde, p’ra

    uma longa vida viver;

Foi-me dada a doença, p’ra

    cada minuto sentir e também apreciar.

 

Pedi à Mãe Terra coragem,

    p´ra seguir meu caminho;

Foi-me dada a fraqueza, p’rà

    Sua falta poder sentir.

Pedi uma vida feliz, p’rà

    vida poder gozar;

Foi-me dada a vida, p’ra

    poder viver feliz.

de tudo o que havia pedido, nada me foi ofertado,

    apesar disso, contudo, todos os meus desejos

    realidade se tornaram.

 

Não obstante eu próprio e a malvada Iktumi,

    os meus sonhos se realizaram,

Fui gererosamente abençoado,

    mais do que uma vez esperei.

Agradeço-te Watantanka,

    por tudo quanto me deste.

 

Poema Lakota

Fadas

14.11.10, Alice Alfazema

 

 

 

A criança que pensa em fadas e acredita nas fadas 
Age como um deus doente, mas como um deus. 
Porque embora afirme que existe o que não existe
Sabe como é que as cousas existem, que é existindo, 
Sabe que existir existe e não se explica, 
Sabe que não há razão nenhuma para nada existir, 
Sabe que ser é estar em algum ponto 
Só não sabe que o pensamento não é um ponto qualquer. 

 

 

Alberto Caeiro