Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Mudanças em tempos de COVID

Na cozinha

21.09.20, Alice Alfazema
Ilustração  Paul Garland   Neste ano de verdadeiras mudanças para mim, tenho-me aventurado na cozinha e em fazer pratos diferentes. Tenho estado  a apostar em comer mais legumes frescos e locais e a misturá-los duma forma aventureira. Tenho experimentado alguns dos quais duvidava gostar. E é interessante verificar que o que a minha mente tinha rotulado não corresponde à verdade.    "Mude, mas comece devagar. Porque a direção é mais importante, que a velocidade. Sente-se em (...)

Dias de vento e com os ventos

20.09.20, Alice Alfazema
   O meu olhar de tanto marfixou-se numa nuvem de vento.Dispo-me de gaivotasquando é o teu olhar com asasque me solta e agarra,pois dois sentidos morampara além de nós,nos habitam e esperamsentados aos tropeçõesdentro dos nossos corpos.São aves de muitas ondas,as que nos beijam.A hora chegou com o seu gume.Amor,volto a partir com os ventos.    Poema de Lília Tavares, in Parto com os ventos     

"Lavamos as mãos para evitar certas palavras"

19.09.20, Alice Alfazema
  Olhamo-nos nos olhos pela internet.   Eu transmito-te este domingo à tarde, a voz do vizinho através da parede.   Tu transmites-me a distância que existe depois do que consigo ver pela janela.   Durante a noite mudou a hora e, no entanto, continuamos no tempo de ontem.   Como é raro este domingo, não podemos garantir que amanhã seja segunda-feira.   O futuro perdeu-se no calendário, existe depois do que conseguimos ver pela janela.       O futuro diz alguma coisa (...)

Gratidão por desconhecidos

18.09.20, Alice Alfazema
Nesta imagem serena mora um homem que vê passar o tempo, e que sabe que só ele leva as mágoas para longe. E sabe  também que o tempo tem a capacidade de unir e separar, de ser cruel e bondoso. Todas as vidas que se cruzaram e separaram enquanto escrevi este paragrafo? Não sei, ninguém sabe, apenas o tempo, esse que passa e não o sentes. Dedicar a nossa vida aos outros é uma tarefa árdua e longa, que exige uma dádiva constante. É maravilhoso vermos  que existem pessoas que (...)