Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

À capacidade da raiz

25.05.19, Alice Alfazema
  Ilustração Pramod Kurlekar       Poderemos supor que nas plantas, o atractor ou a finalidade será a busca de luz (fototaxia). A árvore cresce em direção à luz até que um tronco dá origem a dois ramos e esses a outros dois, e assim por diante, obedecendo a uma lógica fractal de bifurcação. Contudo, o tronco e os ramos não se desenvolvem sem raiz. Também as raízes parecem obedecer a padrões baseados na bifurcação em direção a uma finalidade (busca de água - (...)

Alfazemas

25.05.19, Alice Alfazema
  Ilustração  Steve Johnson i Lou Fancher     Estão a ver aquelas alfazemas no topo do blog? Gosto muito, dá um ar primaveril aqui à casa, pois...mas eu não conseguia dar esse ar, imaginava, mas não conseguia transportar isso para realidade, então num dos comentários de um destes posts aí para baixo, eis que surge a ajuda, sem ninguém pedir, a obra foi feita pelo

#diariodagratidao 24-05-2019

24.05.19, Alice Alfazema
  Ilustração  Pramod Kurlekar     Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser, muda-se a confiança; Todo o mundo é composto de mudança, Tomando sempre novas qualidades. Continuamente vemos novidades, Diferentes em tudo da esperança; Do mal ficam as mágoas na lembrança, E do bem, se algum houve, as saudades. O tempo cobre o chão de verde manto, Que já coberto foi de neve fria, E enfim converte em choro o doce canto. E, (...)

#diariodagratidao 23-05-2019

23.05.19, Alice Alfazema
  Ilustração Rafal Olbinski   Cheguei a casa e descansei, não pus os pés na Lua, mas retirei-os do chão. Continuo a surpreender-me com a subtileza do mal, com os sorrisos descarnados de empatia. Sentei-me e desejei por os pés na Lua, mas a minha perna era demasiado curta.   

Conversas da escola - Não sei

22.05.19, Alice Alfazema
- Quero um chá, estou muito mal disposto. - Toma lá, pões o açúcar, mexes bem e vais bebendo aos poucos, vais ver que ficas melhor. O miúdo leva a chávena e senta-se numa das mesas, no entanto diz a uma da minhas colegas. - Fiquei sem perceber se ponho o açúcar debaixo da língua, mexo o chá e bebo, ou se ponho o açúcar no chá, mexo e bebo.