Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Ginjas o pirata

Julho 15, 2017

Alice Alfazema

cavando.jpg

 

Vivia na China um sacerdote rico e avarento. Amava jóias e as coleccionava, acrescentando constantemente novas peças ao seu maravilhoso tesouro escondido, que guardava a sete chaves, oculto de olhos que não fossem os seus.

O sacerdote tinha um amigo, que um dia o visitou e manifestou interesse em ver as jóias.

- Seria um prazer tirá-las do esconderijo, e assim eu poderia olhá-las também.

A colecção foi trazida, e os dois deleitaram os olhos com o tesouro maravilhoso por longo tempo, perdidos em admiração.

Quando chegou o momento de partir, o convidado disse:

- Obrigado por me dar o tesouro.

- Não me agradeça por uma coisa que você não recebeu - disse o sacerdote. - Como não lhe dei as jóias, elas não são suas, absolutamente.

- Como você sabe - respondeu o amigo, - senti tanto prazer admirando os tesouros quanto você, por isso não há essa diferença entre nós como pensa. Só que os gastos e o problema de encontrar, comprar e cuidar das jóias são seus.

 

 

 

 Histórias da Tradição Sufi, Edições Dervish, 1993

 

 

 

Alice Alfazema

Os outros

Novembro 09, 2013

Alice Alfazema

 

 

Fotografia Nuno Marçal do blogue O PAPALAGUI


As aparências são tudo aquilo que vemos, mas o mundo vai muito para além disso. O que me interessa são as razões, os motivos, os tesouros escondidos em aparentes fragilidades. Por vezes, quem julga fragilidades nos outros nunca antes passou por provações que lhe levassem a tal estado. As bazófias que se dizem de barriga cheia e cama feita não modificam o mundo, são apenas bolhas que se rebentam na mais leve brisa. 


Alice Alfazema

Uma pergunta por dia: O céu, a terra, os campos, as planícies, as florestas, são os verdadeiros bens do homem?

Dezembro 09, 2012

Alice Alfazema

 

Quando um hôme do sertão

passando, vê una frô,

não, panha a fulô cum mão!...

Apára, e, depois, siguindo,

leva a frô no pensamento

e o ôrôma no coração!

 

Catullo da Paixão Cearence



 

Uma pergunta por dia até ao final do ano, quem quiser responder esteja à vontade.

 





Alice Alfazema

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

O meu cão é um amor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D