Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Coisas do nosso tempo - A cena menos escaldante em literatura em 2017

Dezembro 02, 2017

Alice Alfazema

Ela cobre os seios com o seu fato de banho. O resto dela permanece deleitavelmente exposto. A pele dos seus braços e ombros são sombras diferentes de bronzeado como manchas de água numa banheira. O seu rosto e vagina competem pela minha atenção, por isso olho para o triângulo de bilhar do meu pénis e testículos.

 

Christopher Bollen, in The Destroyers

 

 

O terceiro romance do americano Christopher Bollen, The Destroyers, é o grande vencedor do indesejado troféu Bad Sex in Fiction, atribuído, desde 1993, pela revista literária britânica Literacy Review à pior descrição de sexo em obras de ficção.

 

 

 

Alice Alfazema

O sexo tem prazo de validade?

Fevereiro 18, 2017

Alice Alfazema

Ilustração Ramona Bruno

 

 

“Penso que o sexo é muito importante para ter uma vida feliz, independentemente da idade. Na verdade, quando estamos a fazer amor podemos ter a idade que queremos, não nos sentimos velhos.”

(Mulher, 70-79 anos)

 

“Se estamos mesmo apaixonados pela nossa parceira, não temos vontade ou sequer pomos a hipótese de ter relações sexuais com outra pessoa. E eu e a minha mulher estamos ainda tão apaixonados como estávamos quando casámos.”

(Homem, 80+ anos)

 

“Sempre tive uma relação sexual satisfatória com o meu maravilhoso e querido marido, mas com a idade, e em parte por causa dos medicamentos, a nossa atividade sexual foi-se esvanecendo aos poucos. Mas ainda mostramos afeto com frequência – ou seja, todos os dias, a toda a hora.”

(Mulher, 70-79 anos)

 

“Estou extremamente contente com a relação sexual que tenho com a minha mulher, e muito satisfeito por, apesar da idade, o sexo para ambos continuar a ser tão bom como sempre foi.”

(Homem, 70-79 anos)

 

Estas respostas foram retiradas deste artigo da Visão.

 

 

Alice Alfazema

A fita vermelha

Dezembro 01, 2016

Alice Alfazema

 

 

Há muito tempo atrás, ia eu de comboio para o trabalho. A viagem era um pouco demorada, os comboios não eram tão rápidos como hoje em dia, dava para dormir, fazer malha, observar e conversar. Não haviam telemóveis, tablets nem fones, a malta entretinha-se com a paisagem. Depois de as minhas colegas descerem numa determinada estação eu ainda tinha mais de vinte minutos até chegar ao meu destino, durante esse período estava sempre comigo mesma.

 

Naquele dia a carruagem estava quase cheia, ao pé de mim os lugares ficaram vagos. Um homem muito magro e vestido de negro veio pela carruagem fora e sentou-se em frente a mim. Na mão trazia posto um cateter, o seu ar era cadavérico, de tão magro que estava. Começou a falar comigo sobre SIDA, na altura sabia-se pouco sobre o assunto, eu era jovem e o que sabia sobre a doença era aquilo que aparecia nas notícias, que era uma doença de homossexuais. Mas ele disse-me que não o era, que o que se dizia era mentira, falou-me de muita coisa e eu ouvi. 

 

O que mais me marcou nisto tudo foi ele ter-me agradecido por tê-lo ouvido, por não me ter levantado do meu lugar para me sentar noutro, situações essas às quais ele estava habituado. 

 

Isto foi há tanto tempo, muitas vezes me lembro disto, foram vinte minutos da minha vida. Na vida todos os minutos contam e por vezes por dez minutos apenas temos de fazer mudanças muito fortes. Não desperdice a sua - informe-se e proteja-se.

 

 

Alice Alfazema

 

Liberdade ao sal

Junho 19, 2015

Alice Alfazema

Ilustração Astrid Trügg  

 

Antes de sentir a traição na pele ela sentia-se livre, gozava de uma liberdade atlântica, o fresco do oceano banhava a sua pele e trazia-lhe o odor do sal para junto de si, as ondas alegres faziam-lhe cócegas pelo corpo todo e gargalhava até lhe doer a barriga. Depois disso veio a sensação pegajosa do óleo que se lhe agarrou à pele, o fecho asfixiante na lata apertada, onde todas pertenciam ao mesmo clube. O das chifrudas. 

 

Alice Alfazema

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

O meu cão é um amor

Posts destacados

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D