Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Porque está a escola fechada?

Outubro 27, 2017

Alice Alfazema

Ilustração  Del Kathryn Barton

 

 

 

É sete e meia da manhã, já estão miúdos à porta da escola, o horário de abertura é às oito e quinze, mas a esta hora já começam a chegar crianças à escola, ficam por ali até ser hora das aulas começarem. Todos os dias vêm dois funcionários mais cedo para abrir o portão para que esta malta possa entrar para dentro do recinto escolar e assim os pais irem mais tranquilos para o trabalho, sabendo que os filhos estão em segurança. 

 

Muitos têm aulas só no período da tarde, mas chegam de manhã porque não querem estar sozinhos e porque sentem que estão melhor na escola. A escola para eles é parte da família, é lá que têm a maioria dos amigos, é ali que fazem as refeições e onde crescem e se transformam, é onde aprendem e adquirem competências que lhes vão servir para a vida. A escola para eles é como aquela rotunda que te leva a vários caminhos.

 

E que a que caminhos te deve levar a escola? Deve te levar a um lugar tranquilo e acolhedor, limpo, onde as pessoas estejam motivadas a tornar este mundo num lugar melhor, porque o futuro existe. Porque não devemos transformar o futuro num local sem esperança, sem cor, sem alegria. 

 

Como podemos fazer isso? Olhando de outra forma para o nosso dia-a-dia. 

 

Os pais levam os filhos à escola numa correria, muitas vezes desrespeitando as regras de trânsito e pondo em risco quem atravessa a estrada na ânsia de só se verem a eles, dizem-me que se a escola estiver fechada é um grande problema, que não têm onde colocar os filhos, que também trabalham, e que não  é pouco, e que aqui é que é bom não se faz nada, e quem é que vai ficar com o filho ou a filha? Ansiedade muita ansiedade, apenas isso. 

 

Nenhum me perguntou quantos funcionários somos e o que fazemos? Quais as dificuldades que temos? As pessoas apenas vêem o que querem ou o que lhes interessa. Tal como nos incêndios, apenas viam uma mancha verde, nem sabiam que árvores verdes eram essas. Aqui é o mesmo, conseguem ver umas quantas pessoas de bata, então julgam que são muitas e não se interessam por mais nada. 

 

Isto já nem é tanto um fazer greve por um salário mais alto, é mais por um cansaço extremo que leva à rotura psicológica e física. 

 

 

 

Alice Alfazema

 

 

 

 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

O meu cão é um amor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D