Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Transformações

Novembro 29, 2015

Alice Alfazema

ilustração  Daryl Gortner

 

E o grão tornou-se café, a folha tornou-se chá, e tu bebeste os aromas e transformaste a tua manhã.

 

 

A marca da nossa ignorância é a profundidade da nossa crença na injustiça e na tragédia. Àquilo a que a lagarta chama o fim do mundo, o Mestre chama a borboleta.

 

Richard Bach

 

 

Alice Alfazema

No amor

Novembro 25, 2015

Alice Alfazema

 

 

 

No amor há uma espécie de equilíbrio que torna o relacionamento inabalável. Quando se trata de amor, as marcas que o tempo deixa na pessoa amada, não alteram o que se sente, porque quando verdadeiro, ele vê para além da aparência e contempla o coração. É por isso não há um tempo limite para se amar. Ama-se à medida que se deseja amar.

 

Helena Sacadura Cabral

 

 

Alice Alfazema

 

Trilho musical

Novembro 23, 2015

Alice Alfazema

Ilustração  Mark Smith

 

Encontrei este texto escrito pelo meu filho, estava guardado numa gaveta, quem o guardou já cá não está. E quem o escreveu não se lembra de quando o fez. É um pedaço de papel escrevinhado a lápis de carvão. Momentos. Silêncios. Risos. Ternuras. Lembranças.

 

Surge por entre um trilho musical, composto por colcheias, seminimas e pausas, um individuo, o qual considero um amigo e um exemplo, um ídolo. Destaca-se por entre a multidão monótono e triste, como se de um inverno se tratasse, onde as pessoas são folhas inexistentes e a atmosfera rodeante, a árvore quase morta da tristeza. 

 

Destacava-se pela simples razão de possuir a música nas suas mãos, a música na sua cabeça, a música no seu corpo. Resumidamente, a alegria. Se o pudesse descrever, diria que os cabelos são flautas transversais, e os olhos como fossem maracas. 

 

Incompleto o pensamento, um fragmento num pedaço de papel rasgado. Nada é completo, nem quando queremos, nem quando podemos. Somos um ponto frágil no universo. Às vezes música, às vezes brilho, por vezes silêncio, por vezes nada.

 

 

Alice Alfazema

 

 

 

 

O que é Paris

Novembro 14, 2015

Alice Alfazema

Neste momento Paris é o fruto obtido da indiferença, que foi parido pelo capitalismo desenfreado, crescido na  pouca solidariedade existente entre os povos, e educado pela falta de negociação política entre os Estados. 

 

Alice Alfazema

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

O meu cão é um amor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D