Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

A sombra

 

 Ilustração Wendy Chidester

 

Por vezes a sombra sobrepõe-se à atitude. Nunca durante muito tempo. A sombra paira e imita, mas não tem a imagem. Está agarrada, nunca se liberta. Tenta imitar, mas falha, porque não tem consistência. Ri mas sem brilho. Opaca. Densa. A sombra muda de lugar, mas não muda de atitude. Copia. Observa e copia. 

 

Alice Alfazema

 

 

A dois, a três, a quatro...

Sentaram-se na esplanada do café, refastelados naquelas cadeiras que tão bem conhecem, assim como conhecem todos os subsídios a que têm direito. A mulher puxa do maço de cigarros e com a voz rouca fala sobre as notícias do momento. Os refugiados. Diz que tem pena deles, mas que deviam de ficar lá no país deles. Há anos que a vejo fumando cigarros e bebendo café na esplanada. Talvez trabalhe para alguma marca de café ou de cigarros. 

 

Alice Alfazema

Pág. 1/6