Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Conversas da escola (29)

Outubro 30, 2011

Alice Alfazema

 

Chovia que Deus a dava; eles do alto dos seus onze anos estavam impávidos e serenos, sob a chuva, olhando as nuvens e recebendo o precioso liquido em seus corpos, já completamente encharcados, lembram-se, finalmente, que a chuva é fria e que não têm outra roupa; correm e gritam para a funcionária:

 

- Precisamos de abrigo!

- Tem aí umas botas?

- E uma camisola?

- Onde posso secar o cabelo?

- Porque andavam à chuva? os vossos pais vão saber disto...

- Não faz mal, a minha mãe sabe que eu não sou pessoa para ficar sentada no polivalente.

- ...

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Governo autoriza abate de milhares de sobreiros e azinheiras para viabilizar barragem da Foz do Tua

Outubro 29, 2011

Alice Alfazema

 

 

 

 

O Governo, para viabilizar a construção da barragem da Foz do Tua, vem agora emitir um Despacho para autorização do abate de milhares de sobreiros e azinheiras no Vale do Tua, afectando de modo irremediável o património natural do Vale do Tua, um dos melhores conservados de Portugal.


A barragem estará situada dentro da Paisagem Cultural do Douro Vinhateiro, classificada como Património Mundial. Após um controverso processo de Avaliação de Impacte Ambiental, foi efectuada uma queixa à UNESCO, alertando para a desactivação da linha do Tua e para a afectação negativa da paisagem com a construção da barragem.


A publicação do Despacho n.º 13491/2011, de 10 de Outubro do Ministério da Economia e Emprego e do Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, com a necessária Declaração de Imprescindível Utilidade Pública, vem viabilizar à EDP S.A., o abate de mais de 1104 sobreiros e 4134 azinheiras em povoamentos e núcleos de valor ecológico elevado no Vale do Tua.

 

Questionamos a consideração da inexistência de alternativas válidas para a construção do empreendimento, quando as mesmas não foram estudadas ao nível da Avaliação de Impacte Ambiental.


Lamentamos o avanço do processo de construção da barragem, a qual a ser construída, produzirá o equivalente apenas a 0,07% da energia eléctrica consumida em Portugal em 2006 (Dados da Rede Eléctrica Nacional). Mais uma vez andamos em contraciclo, construindo barragens irrelevantes quando os países mais avançados já iniciaram a demolição das barragens com pouca utilidade.


Num momento em que cada vez mais vozes se levantam contra o desperdício e o buraco económico que representa a construção de novas barragens, este despacho representa uma inaceitável subserviência à política de publicidade enganosa e facto consumado promovida pela EDP. É também um desrespeito vergonhoso às promessas feitas pelo Governo de reavaliar o programa nacional de barragens.

 


QUERCUS, GEOTA, CAMPO ABERTO, ALDEIA, LPN, FAPAS,

COAGRET, MCLT, ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO VALE DO RIO TUA

 

 

Retirado daqui: Liga para a Protecção da Natureza

 

 

 

Vivemos em sociedade ou vivemos em economia? Vejo o nosso património jogado fora para proveito de alguns, opiniões excluídas, preteridas a troco de interesses económicos. Eu gostaria que os meus netos pudessem ver paisagens como esta, não apenas em documentários e fotografias mas que também pudessem desfrutar de tudo isso, através de tudo aquilo que a Natureza nos dá, pelo cheiro, pelo sabor , pela harmonia do silêncio, do canto dos pássaros, do toque do rio, enfim, de toda a energia que encerra este e outros pedaços de Portugal.

 

 

Alice Alfazema

 

 

 

 

Do Eça até hoje

Outubro 28, 2011

Alice Alfazema

 

 

 

Descobriram que aquilo que o Eça disse há muito tempo, é ainda uma verdade actual. De tantas hipóteses,  a repetição exaustiva de ideias é a que ainda prevalece viva até hoje, e por muito que pensem, pensam sempre no mesmo e da mesma forma.

 

O grande desafio seria mudar de ideias...

 

 

 

 

Alice Alfazema

Conversas da escola (27)

Outubro 25, 2011

Alice Alfazema

 

- Porque é que as senhoras que trabalham no refeitório levam tantos sacos cheios para a bagageira do seu carro?

 

Hipótese:

 

a) Porque são formigas e adoram andar carregadas e atarefadas.

 

b) Porque estão a exercitar os músculos e os glúteos.

 

c) Porque tem muitos animais domésticos e aproveitam os restos da comida para os alimentar.

 

d) Outros motivos_________________________

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Carinho centenário

Outubro 23, 2011

Alice Alfazema

 

 

 

 

Erguem os ramos numa prece de alegria, agradecem ao Sol, pelo calor que lhes proporciona a vida, lembram-se das gotas de chuva, que lhes faz crescer as flores e as transforma em bagos; são assim as causadores do óleo sagrado, aquele que iluminou ruas e casas; aquele que escorre do pão e passa para a boca.

 

Caminham juntas, sem saírem do lugar, protegem-se do vento e do frio, dão abrigo e sombra. As suas raízes cruzam-se, debaixo da terra da qual se alimentam, abraçam-se silenciosamente num carinho centenário, juntas, semelhantes, com os mesmos objectivos e as mesmas necessidades.

 

 

 

 

 

 

Alice Alfazema

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

O meu cão é um amor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D